Download do PACOTE ADOBE CS4 com serial number e tudo

Todos os downloads abaixo são a partir de torrent. Por isso é necessário ter instalado um programa como o BitComet em seu computador. Se quiser outras coisas interessantes de graça veja este outro post.

Se você quer simplesmente baixar um gerador de serial numbers para softwares ADOBE CS4 eis o linke.

Download do PACOTE ADOBE CS4 Master COLLECTION com o KeyGen

Download do ADOBE PHOTOSHOP CS4 com atualizações e serial já inclusos

Download do ADOBE AFTER EFFECTS CS4 com KeyGen incluso

Download do ADOBE DREAMWEAVER CS4 com KeyGen incluso

Download do ADOBE FLASH CS4 com KeyGen incluso

Download do ADOBE INDESIGN CS4 com KeyGen incluso

Download do ADOBE PREMIERE PRO CS4 com KeyGen incluso

Download do ADOBE SOUNDBOOTH CS4 com KeyGen incluso

Download do ADOBE ILLUSTRATOR CS4 com KeyGen incluso

Download do ADOBE FIREWORKS CS4 com KeyGen incluso

E para quem pretende se especializar ainda mais na área, eu gostaria de indicar meu texto sobre o Centro de Treinamento Oficial da ADOBE.

Fora Quintão, Diretas Já!

Olá queridos Ipatinguenses Humilhados. É chegada a hora de tomarmos atitudes mais drásticas caso o TSE não dê a posse ao Chico em Fevereiro. Caso isto não aconteça o Movimento Fora Quintão convida vocês a saírem nas ruas e pedirem Diretas Já!
O email abaixo foi enviado por Robinson Ayres, espero que apóiem, obrigado a todos que acreditam que a democracia tem de prevalecer!

[tab:Email de Robinson Ayres]

Olá Diego, seguem algumas opiniões sobre como devemos conduzir o movimento FORA QUINTÃO.
Unificar a cidade, precisamos sair para iniciativas de desobediência civil. Precisamos pensar: ou a justiça tira ou o povo tira, mais cedo ou mais tarde. Precisamos de ações de desobediência civil. Precisamos de um DESOBEDEÇA! NÃO PONHA IPTU NO CHAPELÃO, por exemplo. FORA QUINTÃO! DIRETAS JÁ! Abraços Robinson Ayres.

– As eleições de outubro, em Ipatinga, foram marcadas por um desejo popular que, evidentemente, definiu muitos milhares de votos na cidade. O Prefeito em exercício, Sebastião Quintão, com sua desastrosa administração 2004/2008, amealhou tamanha rejeição que o processo eleitoral foi definido mais por um rotundo e contundente FORA QUINTÃO que por um VOLTA CHICO…

Chico Ferramenta, para além de seu prestígio eleitoral e independente das dúvidas sobre suas possibilidades legais de assumir um mandato eventualmente conquistado, foi o depositário dos sufrágios que se denominam votos úteis (há os que duvidam, e muito, da utilidade desses votos).

A população, desejosa de ver o Senhor Sebastião Quintão pelas costas, votou em massa em Chico Ferramenta por ver nele o que mais tinha condições de derrotar Quintão. Derrotado nas urnas, Quintão depois de ver frustradas suas iniciativas e de seus laranjas para impedirem a candidatura de Chico, continua, a operar, através de um exército de advogados regiamente remunerados, de forma agressiva, junto aos tribunais da Justiça Eleitoral, objetivando a cassação do registro provisório do Candidato do PT e sua posse (dele), na condição de segundo colocado no pleito.

No apagar das luzes, consegue uma liminar que assegura sua posse. Na contramão da vontade popular que o derrotou e apesar de ter suas contas de campanha rejeitadas e ter sido declarado inelegível, em primeira instância, por três anos. Surdo aos gritos da vontade popular de FORA QUINTÃO! FORA QUINTÃO! vindo das arquibancadas do Ginásio da Usipa, naquela manhã de 1º de janeiro, com ouvidos monopolizados pelo sorrateiro ciciar de seus desejos inconfessáveis, sem pejo, empalma o poder municipal.

Diante dessa usurpação do mandato, a Coligação que elegeu Ferramenta, deslancha uma campanha indignação e passa, apoiada na defesa da soberania do voto popular, a mobilizar a população e a ocupar as ruas da cidade com a bandeira do afastamento imediato do Quintão e a posse também imediata de Chico Ferramenta e Lene Teixeira. Enquanto a população ecoa nas ruas a sua reivindicação de respeito às urnas com a posse do candidato eleito, Chico Ferramenta vai colhendo derrotas sucessivas no Tribunal Superior Eleitoral- TSE.. Derrotas que sinalizam que sua posse por decisão judicial, embora teoricamente possível, é uma conquista de possibilidades cada vez mais difícil, remota e improvável.

Aguarda-se a finalização do processo no TSE onde Chico tem colhido sucessivos fracassos e, caso de novo derrotados naquele Tribunal, nos restará apenas recursar ao STF que, sejamos realistas, dificilmente reverte-se uma decisão do TSE, a menos que seja uma decisão de caráter evidentemente absurdo.

Isto posto, é passada a hora de darmos uma outra condução ao nosso movimento. É hora de colocarmos no centro de nossas ações, efetivamente, o FORA QUINTÃO, conduzindo o movimento para uma bitola mais unificadora da Cidade. O afastamento do Quintão, somente o pessoal do Quintão não quer. A posse de Chico, seus eleitores querem. Agora, o FORA QUINTÃO é desejo, mesmo que não manifesto, da esmagadora maioria dos moradores de Ipatinga. É hora de articularmos com os outros partidos e candidatos um amplo movimento pela cassação do Usurpador de Plantão. É hora de a direção do movimento sair das mãos da Coordenação de Campanha e passar para as mãos, mais amplificadoras, do Partido.

Se em fevereiro, contrariando nossas mais pessimistas expectativas o Tribunal Superior Eleitoral decidir pela posse de Chico, ótimo. Mas se não for essa a decisão, devemos ter nosso povo preparado, unido e em movimento por um outro caminho para arrancar a administração de Ipatinga de sob o peso das patas do Usurpador. FORA QUINTÃO! É isso que nos une a todos. Arrancar a Prefeitura Municipal das mãos do Quintão com a posse do Chico ou com uma nova eleição na Cidade. Enfim, o povo de Ipatinga, já dá o seu recado: ou Chico de novo ou Diretas Já!
12 de janeiro de 2009 Robinson Ayres

[tab:DiegoLopes Chama o Povo]

Agora quem pergunta a vocês sou eu, DiegoLopes. Vejam algumas fotos da nossa belíssima e arborizada cidade. O Fazendeiro queria desmatá-la com o plano diretor e quase conseguiu. Por sorte um promotor embargou o plano. Vocês vão deixá-la nas mãos do Quintão, para seus filhos e netos correrem o risco de viverem em uma cidade que não será tão arborizada quanto hoje. Que fará dez vezes mais calor e será muito mais poluída?!

Acordem, Ipatinga é um Oásis num país de terceiro mundo, vamos às ruas!

20070512 05620070512 062

Parque Ipanema20070512 045

Parque IpanemaParque Ipanema

[tab:END]

Sou negro, sou pardo, sou índio, sou pobre… sou brasileiro!

Herança Indígena

Um dos muitos conceitos do Brasil é o de país “colorido”. Dentro e fora, quando se pensa no Brasil, pensa-se, também: lugar multicor. Chega-se a ver as cores. São seis letras que levam a uma alucinação “degradé”. Brasil é sinônimo de carnaval e não há nada mais colorido do que carnaval. Brasil é puro futebol e futebol é pleno de cores. Brasil é todo natureza e ela tem uma infinidade de matizes. E, se não bastasse, o Brasil é um país que se ufana da variação de cores de pele da sua população. É pele de tão variadas cores que matam de inveja os outros povos. Pois, imaginem os escandinavos: são todos transparentes de tão brancos; imaginem os africanos: todos negros; os chineses: todos amarelos; os povos árabes: todos morenos. Nenhum país do mundo tem esta diversidade de cores e tons de pele que temos aqui. Temos as deles e uma imensidade de outras. Alguém vai dizer: não, nós temos negros, brancos e mulatos. Eu replico: não, aqui os negros têm cada um a sua negritude; os brancos têm a sua branqueleza individual; os mulatos têm cada qual a sua mulatice; os índios: cada tribo uma tonalidade característica. Enfim, aqui cada um é dono da sua cor. Eu digo: eu sou moreno claro. O outro diz: eu sou negro bem escuro. E o outro: eu sou moreno pardo. Tem um que diz: eu sou mestiço, bem misturado – tenho pai branco, louro, de olhos verdes, alto, ele é europeu; tenho mãe negra; um avô era índio – E, assim ele vai descrevendo a sua miscigenação, que o fez tão singular na sua cor e na sua aparência geral.

E daí, que preocupação é esta com cor de pele? A quem isto interessa? Você que lê está intrigado. – Respondo: Interessa a você, a mim, a todos os brasileiros. Vou explicar porquê. Há poucos dias o telefone tocou, atendi, era minha sobrinha, estudante de medicina. Ela disse: “Tio, preciso de um favor seu. Redija para mim um documento em que eu me declare de cor parda. Mande por E-mail. Eu tenho que conseguir o financiamento do meu curso e só terei chance se entrar na cota dos pardos. Já que não sou negra nem branca devo ser parda. Parda é o mesmo que morena? Não tem cota dos morenos. Então devem me aceitar como parda mesmo. Vou tentar. Faz isso prá mim tio?”. Fiz! E foi daí que comecei a refletir sobre a cor da pele dos brasileiros.

Não foi a primeira vez que este fato teve a ver diretamente comigo. Antes disso, meu filho fez vestibular. Tirando as cotas reservadas aos negros, pardos e índios, sobraram 24 vaguinhas em um total de 50.

E daí? Nada mais justo. Dizem os favoráveis ao sistema de cotas.
Nada mais injusto. Dizem os contrários ao sistema.
Interessante é que o brasileiro é “miscigenado” até nas opiniões. Posto que há opiniões favoráveis e contrárias de todos os lados.

Miscigenação

Reflitam. Minha sobrinha só estava fazendo um curso de medicina porque sua mãe vendeu o único imóvel que possuía, a própria casa residencial, para custeá-lo até conseguir o financiamento do Governo. Se não conseguisse ficaria inadimplente e adeus curso. Conseguiu, no “soar do gongo”, porque se declarou parda. Se se declarasse “pobre” de nada adiantaria. Não há cota para “pobres”.
Se meu filho se declarasse NEGRO ou PARDO ou ÍNDIO teria mais vagas à sua disposição e menos concorrentes.

Desde quando essas idéias de “cotas” surgiram, tornaram-se polêmicas. Tudo que encontrei escrito sobre o assunto questiona: a finalidade (para a maioria o objetivo apregoado é uma falácia); a legalidade (é inconstitucional); a conseqüência (incitar o racismo).

Da finalidade: Dizem, os defensores do sistema de cotas, que há uma dívida histórica a ser paga aos negros, aos índios, aos pardos. Ora, falácia. Dívidas históricas não existem porque o passado não existe. E quanto mais passado mais inexistente. Imaginem se Roma tivesse uma dívida histórica com todos os povos que ela destroçou, humilhou e escravizou. Qualquer romano de hoje vai achar que estão lhe contando uma piada. Quantos impérios como o romano existiram na história do mundo? A última tentativa de dominar o mundo, a mais recente, foi a da Alemanha, capitaneada pelo insano Hitler. Isto acabou há apenas 63 anos. Entretanto, ninguém, em sã consciência, acusa os alemães de hoje pelo nazismo e todas as suas atrocidades. Aliás, muitos, de sã consciência, não culpam nem os alemães daquela época – é sabido que muitos alemães não eram antissemitas nem nazistas, muitos discordavam de Führer.

Se há dívida histórica ela deve ser paga por toda a humanidade. Pois, não há canto desse mundo, em tempo algum, que não tenha havido um povo dominando outro.

No tocante à escravatura negra, contrapondo: quem vai pagar a conta aos brancos? Isso é uma piada! Exclamarão os não brancos. Concordo. Não há nada a pagar aos brancos. – Mas, se houvesse uma dívida histórica aos negros e aos índios e aos pardos; ora, por que não haveria de ter também a dos brancos? Por quê? – Ora, porque sempre houve escravos brancos, em toda a história. Ou alguém aí não sabe disso? Se alguém pensa que só existiu escravagismo negro está assinando o seu próprio atestado de ignorância. Antes dos negros serem seqüestrados na África, os brancos pobres e indefesos ou até ricos vencidos nas guerras eram feitos escravos.

Escravagismo, de qualquer cor, inclusive do branco, nem é coisa do passado. Temos escravagismo, hoje, em todas as partes do mundo, inclusive aqui no Brasil. – No Sertão. Nos latifúndios distantes (às vezes de propriedade de algum figurão da política ou do empresariado). Mas, também, aqui e aí bem pertinho. Lá no subúrbio. Lá no condomínio fechado. Ali do outro lado da rua. Na casa ao lado. De um modo ou outro tem sempre alguém achando que é normal dominar e escravizar um ser humano.

Da conseqüência: Desde criança sempre ouvi dizer que no Brasil não há racismo. Mentira! não é? Em parte. Se compararmos com o racismo dos outros países. Mesmo o racismo (Apartheid) da África do Sul, já não existe. O dos EUA nem se fala, até elegeram um presidente negro. Mas, com toda a melhora, lá ainda tem separatismo e preconceito explícitos. Deixe-me ilustrar: Minha cunhada, branca como leite, foi morar na Flórida com o marido e filho. Deram um giro pelo bairro onde decidiram que seria possível pagar aluguel. Anotaram os endereços das casas que agradaram e foram até à imobiliária. A atendente olhou a lista e aconselhou-os a eliminar alguns endereços e explicou que se eles fossem negros aconselharia a eliminar os outros endereços. O bairro era dividido em metade negro e metade branco. Isto significa um grande avanço. Há 30 anos atrás isso seria impossível. Hoje já dividem o mesmo bairro. Respeitam-se. Mas ainda não se misturam.

Meu cunhado morou perto de Boston. Contou-me que certo dia a firma lhe mandou prestar serviço em um determinado endereço. Lá chegando percebeu que era um bairro de classe média alta. Trabalhou lá por cinco dias inteiros. Não viu um branco sequer. Os moradores eram todos negros. Curioso, interrogou o patrão, um americano branquelo. Ficou perplexo com o que ouviu – o bairro é todo habitado por negros. Todos os adultos têm formação universitária. A maioria tem mestrado ou doutorado. São cientistas, professores, diretores de grandes firmas, empresários, industriais. – Meu cunhado branquelo, estava lá, clandestinamente, pintando as paredes de uma mansão, para sobreviver. Com um segundo grau sofrível.

Dizem que no Brasil há um “racismo velado”. Quer dizer que o brasileiro tem um racismo hipócrita e covarde. Ou seja oculto e subjetivo. Verdade? Em parte, porque isso se aplica aos racistas ou preconceituosos assumidos, mais aos segundos que aos primeiros.

Aqui, o que se vê, em geral, é a camaradagem, sincera. O convívio amigável. A miscigenação natural. Os casamentos “inter-raciais” se realizam a todo instante. As cores, aqui, se misturam como café com leite, não só convivem, como no arco-íris. Negros e brancos nascem e crescem juntos até que o dinheiro os separe. Se permanecerem pobres a vida inteira, juntos continuarão. Se enriquecerem todos, também. Aqui as pessoas são separadas pelo dinheiro não pela cor da pele. Não há como misturar a mansão com o barraco; o condomínio de luxo com a favela; a “quentinha” com “a La carte”; o BMW com a Kombi; o banqueiro com o bancário. Este separatismo é imposto pelo dinheiro, não pela vontade das pessoas.

E as cotas? Ah! As cotas. Dizem que elas vão diminuir esse fosso entre ricos e pobres. Que vão diminuir a diferença entre a mansão e o barraco. Que nada! Elas vão corroer a convivência; vão fazer enxergar o que não se via. Como os cupins deixam só a cor da madeira as cotas vão deixar só a cor da pele. A cor vai segregar como hoje o dinheiro faz. E, o dinheiro o faz imperativamente. E isso sim precisa ser combatido. Se é para diminuir as diferenças materiais vamos planejar cotas para as classes econômicas (se ninguém encontrar melhor idéia).

Cota A, B, C, D, E. Isso não vai promover a separação do que já é separado. Mas, poderá fazer desaparecerem os barracos; as quentinhas; as Kombis enferrujadas. As favelas poderão perder este conceito. Poderão ser condomínios classe média. As Kombis enferrujadas poderão ser trocadas por outras “zeradas” (ainda existem); as quentinhas serão substituídas por “self-service”.

Enfim, todos poderão viver com dignidade. É isso que interessa! Acabar com a miséria e com a pobreza. Que a diferença venha a ser entre o mais rico e o menos rico. Aí perderemos a vergonha de sermos do terceiro mundo e seremos desenvolvidos. Seremos uma Nação de verdade.

Aí o Brasil perderá a cor feia da pobreza.
Aí o Brasil ganhará as cores da dignidade, a verdadeira riqueza.
Da legalidade (?): Ah! Ia me esquecendo: leiam o artigo 5º da Constituição Federal. Só!

Será que ele precisou de cotas?

ENCONTRADA A PROVA DE QUE QUINTÃO NÃO ADMINISTRA

Há um provérbio que diz: “Quem não limpa a própria casa suja a cidade”.

Os ipatinguenses estão perdendo a paciência com a falta de cuidados da administração municipal com a bela Ipatinga. A continuar assim, em breve, a nossa cidade poderá ser comparada a uma mulher linda, bem vestida e cheia de jóias que, de repente é acometida de Depressão e se torna maltrapilha, suja e desgrenhada.

Experimente contar quantos buracos você verá amanhã. Tente, também, contar quantos monturos de barro, terra, areia, galhadas você verá no seu trajeto. Depois me conte, se você não perdeu a conta. É verdade, está de perder a conta, de cansar de contar. (Aí um defensor incondicional do prefeito me diz: “o Quintão deu azar com a equipe dele, ele está pagando pela incompetência dela”. Não! Essa é um chute no cóccix. O cara não sabe que a equipe é o reflexo do líder. Aiaiai!).

Sabemos que a Dengue é uma calamidade no país e Ipatinga não foge a regra (agora mesmo tive notícia de que uma moça do Veneza estava com Dengue Hemorrágica, felizmente já está fora de perigo). As pessoas educadas e instruídas estão sempre evitando e corrigindo qualquer pequena possibilidade de colaborarem com a reprodução do mosquito transmissor que, sabe-se, pode depositar seus ovos em qualquer gota d’água. E o faz em água parada.
Mas, pasmem ipatinguenses! O Sr. Sebastião Quintão, prefeito desta nobre cidade, não integra esta comunidade. Parece que “ele saiu da roça mas a roça não saiu dele”. Lá na fazenda, bem administrada, a água é corrente por natureza e tem muitos batráquios para engolir os insetos. Mas, seu Quintão, aqui é cidade, num é roça não sô!

Se não bastasse tantos desmandos, tanto retrocesso e tanto desserviço; tantos exemplos de que estamos sendo humilhados e vilipendiados, vimos, agora, nos deparar com mais esta: foi encontrada a prova de que Quintão não está nem aí para o bem-estar, a saúde e a vida dos seus munícipes. Por quê? Porque bem no centro da cidade há um imóvel vistoso, de propriedade dele. Bem na esquina da Valentim Pascoal com Poços de Caldas, em frente a Pernambucanas. É a sede do “Projeto de Salvação” (que já faz tempo está fechado). Os passantes são atraídos pelo espelho d’água que circunda o imóvel e, inevitável, pensam: “oh! Senhor! Eis uma fábrica de mosquitos da Dengue. Uai! Mas este prédio é do prefeito, será que ele não se importa com a Dengue?”. E você ainda pergunta?

Este é o Quintão!!!

CHICO Delfino ou Sebastião QUINTÃO?

Qual deles você deseja ver como Prefeito de Ipatinga nos próximos quatro anos?

O primeiro, Chico Ferramenta, foi o mais votado, milhares de votos a mais, ganhou a eleição, foi diplomado, carregado nos ombros dos seus cabos eleitorais, comemorado com baile e em grande aglomeração em parque público, buzinaços e fogos de artifício. Lutou, feericamente, contra e pelo poder. Queria ser Prefeito pela 4ª vez. Foi, magistralmente, eleito. Ganhou o diploma mas perdeu a posse.

O segundo, Sebastião Quintão, perdeu a reeleição. Uma campanha fria. Sustentada por uma derrama de dinheiro. Sob uma chuva de acusações de corrupção. Com o título, já emitido pelo povo, de Pior Prefeito da História de Ipatinga. Um típico estereótipo de coronel rural de chapéu na cabeça em tempo integral. Um homem que não sabe ou não quer saber o que é “Estado Laico”. Pastor e Político dependendo da conveniência.

Estes são os dois protagonistas da novela política que se enreda em Ipatinga há três meses. Desde o dia seguinte à eleição em 05/10/2008. Algo bem parecido com a novela “A Favorita” da Rede Globo. Com a diferença fundamental de que os ipatinguenses sabem que a novela da TV finaliza daqui a poucos dias e que  não passa de uma ficção. Já a novela política de Ipatinga é real, deveria ter tido um FIM na última cena, a “Posse” do Prefeito eleito (ops!) no dia 1º/01/2009. Mas, uma falha do “Script” (leia-se: “Leis Eleitorais Brasileiras”) e fraqueza da “Direção” (leia-se: “Judiciário Brasileiro”) deixou os espectadores ipatinguenses com a sensação de que assistiram um FIM mal finalizado. Aquele FIM reticente, que é uma “deixa” de que o FIM “não ficará bem assim”. De uma forma ou de outra!

Por que “de uma forma ou de outra”? – Ora, porque toda história mal começada e mal finalizada fica imponderável. Se ficar da forma como está deixará uma sensação de indefinição, se a forma for modificada  a sensação permanecerá. O espectador/eleitor sente-se ludibriado e frustrado. Seja ele eleitor do primeiro candidato, do segundo, da terceira e mesmo o não eleitor, ou seja, todos os ipatinguenses.

Afora, os que têm “interesses pessoais”, tirante os “radicais e fanáticos” e excluídos os “simplórios encabrestados pelo populismo”; o restante dos cidadãos desejavam e desejam reescrever a história e após o último ponto carimbar, com a tinta mais impregnante que houver, a palavrinha imperativa e defintiva: FIM.

Ou é Chico ou o povo exige nova eleição

Recebi hoje um Boletim Informativo do “Movimento Ipatinga”. Quem enviou foi o Robinson Ayres, que já foi vereador daqui.

Vale lembrar que o pessoal do Quintão, apesar do cabeçalho (rsrsrs)  se quiser se defender, também terá seu post publicado aqui.

Eis o texto que recebi na íntegra…

Diego, leia o nosso manifesto. Favor divulgar:
AQUI ESTAMOS
Boletim Informativo do
Movimento Ipatinga, Nossa Cidade – Janeiro/09 – n° 2

BASTA:
IPATINGA EXIGE RESPEITO!

Os resultados das eleições de outubro foram golpeados pelos que pensam que o dinheiro tudo pode. Contra a vontade do povo, Quintão é o prefeito de Ipatinga. Um golpe judicial, irresponsavelmente, entrega a administração do município nas mãos de um cidadão rejeitado pela esmagadora maioria dos seus moradores.

Com manobras judiciais, os golpistas de plantão tentaram, primeiramente, impedir que Chico Ferramenta disputasse as eleições. Mas a Justiça frustrou suas intenções.

A candidatura de Chico foi registrada e o povo de nossa cidade, consciente do que é bom para Ipatinga, impôs, nas urnas, uma derrota inquestionável ao principal representante dos golpistas de plantão.

Nas urnas, os votos dos ipatinguenses gritaram, bem alto:

FORA QUINTÃO!

Mas os poderosos não desistem. Eles são capazes de tudo para atender aos seus interesses.

Com a colaboração de certos órgãos de imprensa, promoveram uma campanha sistemática de manipulação da opinião pública, semeando em todos a incerteza quanto ao futuro da Cidade.

Num verdadeiro arrastão junto à justiça eleitoral conseguiram, na última hora, a peso de ouro, impedir a posse de Chico Ferramenta e Lene Teixeira, democraticamente eleitos pela maioria do povo de Ipatinga.

BASTA!

Com a cumplicidade de certos juizes que nada conhecem da nossa Cidade, de nossa gente e da nossa história, os verdugos conseguiram dar posse àquele que foi derrotado fragorosamente nas urnas e cujas contas eleitorais foram rejeitadas, tornando-o inelegível por 3 anos.

Foi dada posse a um candidato com extraordinária taxa de rejeição que obteve o voto de menos de 30% do eleitorado da Cidade e não mais de 36% dos votos válidos. Um candidato derrotado por uma diferença de 15 mil votos.

A vontade popular foi aviltada! E a isso o povo diz: BASTA! Não toleraremos uma administração autoritária, despótica, corrupta e incompetente. Uma administração medieval, fundamentalista, que, numa afronta direta à Constituição do País, desconhece que a religião, no Brasil, está separada do Estado desde a proclamação da República.

O POVO QUER:
CHICO DE NOVO

Acreditamos na Democracia. Ainda acreditamos na Justiça. Esperamos que nossos Tribunais corrijam o erro da decisão de um juiz que desconheceu o resultado das eleições e a soberania popular manifesta nas urnas e nas ruas. Com certeza, desta vez, aplicarão a Lei, considerando, em sua decisão, os interesses de nosso povo, interesses presentes e interesses futuros e, mais uma vez, farão justiça, recolocando as coisas no trilho das decisões democráticas e coerentes com um verdadeiro Estado de Direito. Afastarão de imediato o Usurpador da Prefeitura e darão posse, também imediata, a Chico Ferramenta e Lene Teixeira, legitimamente eleitos pelo povo, em 5 de outubro.

DIRETAS JÁ !

Enquanto a democracia e a justiça não prevalecem, que todos fiquem alertas e manifestem seu repúdio e descontentamento a tamanho golpe e vilanias.

A história da democracia de Ipatinga foi enxovalhada. As eleições de Ipatinga só serão revestidas de legitimidade e de legalidade, quando a vontade popular for respeitada e prevalecer o acatamento às suas decisões soberanas. Só assim o processo eleitoral e nosso voto terão valido.

Ou é Chico de novo ou o povo exige nova eleição.

Como e onde protestar contra o Quintão ter tomado posse

Aí galera, estou montando uma lista pra quem quiser protestar contra o Quintão, pela mídia ou instituições. Se protestarmos chamaremos a atenção do Brasil inteiro para Ipatinga. É preciso que todos saibam dessa situação: um  prefeito que tomou posse sem ter sido eleito. O fazendeiro tirano está usurpando o poder. Se alguém tiver mais sugestões para a lista é só falar, OK?!

Para incentivar vocês a protestarem vale lembrar que você provavelmente deve ter algum amigo ou parente que está sendo ou já foi ameaçado. de algum modo O ladrão já tentou desmatar quase toda a cidade. Nossas ruas mais parecem um queijo. A cidade está suja. Não tivemos nenhuma luzinha de Natal. O desvio de verba dele é muito maior que o do Chico. E até a última vez que olhei estavam tramitando 282 processos contra ele no TSE, agora deve ser mais.

Ipatinga, comunidade do Orkuturl da comunidade

Meu voto é o que vale, comunidade do Orkuturl da comunidade

Proteste Já, do CQCsiteEnviar Email

Jornal NacionalsiteEnviar Email

Jornal MGTVsiteEnviar Email

Rede Minassiteatendimento@redeminas.mg.gov.br

Café com Notíciassitewander.veroni@gmail.com

Blog do Noblatsitefalecomoblog@globo.com

Mírian Leitãositemiriam.leitao@cbn.com.br

Jornal HojesiteEnviar Email

Prefeitura de IpatingasiteEnviar Email

Câmara Municipal de Ipatingasite – Site fora do Ar

OAB-MG (Ordem dos Advogados do Brasil de MG)siteEnviar Email

AMAGIS (Associação dos Magistrados Mineiros)siteLista de contatos do pessoal da AMAGIS

Telefones de hotéis, pousadas e repúblicas em Ouro Preto

Ouro Preto
Ouro Preto - MG

Esta lista eu consegui na época em que fui ao evento Imagem dos Povos em Ouro Preto. Não sei se os telefones e os preços ainda continuam os mesmos, pois este evento foi em 2006.

Ainda não passei o Carnaval lá, mas todo mundo fala muito bem. O evento “Imagem dos Povos” é um Festival de Cinema, e é muito bom, acho que melhor que o de Tiradentes. Geralmente fazem uma comparação entre um estado do Brasil e um outro país apresentando diversos filmes.

Quando participei do evento fiquei na República Necrotério. Fui muito bem recebido e gostaria de deixar aqui meu muito obrigado.

A República Necrotério tem uma senzala que foi transformada em boite, é um lugar realmente muito interessante, é imensa.

Outra República que vale a pena conhecer é a Aquarius, que infelizmente não tenho o telefone. É a maior República da América Latina, possui mais de 30 quartos. Fui muito bem recebido lá também e vai aqui meu muito obrigado. Quem quiser conhecer é só chegar e pedir, tenho certeza que ficarão muito felizes em mostrar o lugar e de quebra você ainda fará alguns amigos…

É isso pessoal, se tiverem alguma dúvida por favor fiquem à vontade em perguntar e agradecer também.

Grd Abço a Todos!!!

[tab:Repúblicas]

Adega – preço a combinar – Tel: 35512445
Bangalô – 20,00 a diária com café da manhã – Tel: 35511326
Bastilha – 10,00 a diária – Tel: 35516182
Baviera – 10,00 a diária – Tel: 35511269
Bem na Boca – 15,00 a diária – Tel: 35516830
Butantan – 15,00 a diária – Tel: 35511987
Cassino – 15,00 a diária – Tel: 35512153
Castelo dos Nobres – 15,00 a diária – Tel: 35516803
Chega Mais – 15,00 a diária – Tel: 35513944
Consulado – 10,00 a diária -Tel: 35511281
Deuses – 15,00 a diária – Tel: 35512324
Maracangalha – 10,00 a diária – Tel: 35513474
Marragolo – 15,00 a diária – Tel: 35512232
Necrotério – 15,00 a diária – Tel: 35513323
Passargada – 12,00 a diária – Tel: 35517728
Pifpaf – 15,00 a diária – Tel: 35513290
Tabu – preço a combinar – Tel: 35511768
Tanto Faz – 12,00 a diária – Tel: 35513112

Obs: O preço cobrado é uma ajuda de custos para manutenção do prédio e da logística. Em geral para as diárias eles oferecem somente colchonetes e pedem para que levem roupa de cama e travesseiro.

[tab:Hotéis e Pousadas]

1) Hotel Priskar
Valor espcial por pessoa: R$ 48,00
Forma de Pagamento: a combinar
Distribuição de apartamentos:
10 aptos triplos (camas separadas) – 30 pessoas
02 aptos duplos (camas separadas) – 4 pessoas
03 aptos 05 pessoas (camaas separadas) – 15 pessoas
Total: 49 pessoas
Obs: Os aptos possuem tv com sinal parabólico, frigobar, telefone, circular de ar e banheiro privativo com aquecimento central.
A diária inclui café da manhã.

2) Sinhá Olímpia
Diária: Apto. Casal, Duplo ou Single: R$ 145,00
Apto. Triplo: R$ 198,00
Valor de diária incluso café da manhã, chá da tarde e não cobramos taxa de serviço.
Temos área de lazer com sauna e pscina, salas de estar com lareira e amplo estacionamento.
A pousada Sinhá Olímpia é nova e toda decorada em estilo colonial.
Todos os nosso aptos. são do mesmo padrão: com TV, Telefone, Frigobar, Banheiro privativo c/ aquecimento central.
Nossas reservas são confirmadas mediante sinal de 50%.
Para efetuar a reserva, gentileza entrar em contato:
Via e-mail: vendas@hotelsolardorosario.com.br ou pelo
Ou por Telefone: (31) 3227-1444 (horário comercial) ou (31) 3551-5200 (atendimento 24h)

3) Pousada Mondego
Largo de Coimbra, 38 – Ouro Preto/MG
Tel: +55 31 3551-2040
Faz: +55 31 35513094
Email: reservas@mondego.com.br
Site: www.mondego.com.br

4) Hotel Solar Nossa Senhora do Rosário
O hotel dispõe em sua totalidade de 46 acomodações. Seria necessário para efetuar a reserva entrar em contato via e-mail: vendas@hotelsolardorosario.com.br ou pelo Telefone: (31) 3227-1444 (horário comercial) ou (31) 3551-5200 (atendimento 24h) Priscila Boroni Borchardt.
p/ Hotel Priskar da Barra Ltda.
R. Antônio Martins, 98 – Barra – Ouro Preto / MG
CEP: 35.400-00 Telefaz: (31) 35512666
Site: www.hotelpriskar.com.br
[tab:END]