Conflito na Síria: Notícias da Guerra

Estou morando no Vale do Silício (Califórnia, USA) e para melhorar meu inglês tenho assistido a vários vídeos legendados “in english”. Os meus preferidos são documentários, principalmente sobre outras culturas, países ou conflitos modernos. O canal do youtube que mais tem notícias sobre guerras que achei é o VICE, e o vídeo que posto hoje é o documentário mais impressionante sobre a guerra na Síria que vi até agora. Além das legendas em inglês ele também possui várias outras legendas, é só escolher nos ícones na parte inferior do player.

Sempre que assisto a um vídeo que gosto, depois eu faço uma breve pesquisa sobre sua história. A da Síria parece ser milenar, tanto que não houve como a pesquisa ser breve. Por isso, foquei mais nos anos 70 para cá, período que explica um pouco mais o porque dos conflitos na região, basicamente os mesmos de sempre, pelo menos da nossa era: países com governos financiados por interesses estrangeiros que acabam minando os cidadãos.

Síria: documentário em vídeo sobre os conflitos

Obs.: não sei porque a primeira parte e o trailer não estão vindo com a playlist, então depois procurem no youtube 😉

[tubepress mode=”playlist” playlistValue=”81dTzSWzKpPmUmp0pNSssCoemWX_w_Mt”]

A Importância da Internet na Educação, Sociedade e Trabalho

É incrível como o ser humano mesmo possuindo diversas tecnologias que não existiam antes, continua a fazer algumas coisas do mesmo modo que 500 anos atrás. Tudo bem demorar um pouco a aprender como usar as novas ferramentas, mas 500 anos é muita coisa!

A televisão e o vídeo cacete já existem a um bom tempo e mesmo assim as escolas não produzem nem reproduzem vídeo aulas, e praticamente não usam a internet na educação. Será que o governo acredita que num país com 190 milhões de pessoas e milhares de professores, é realmente possível manter um padrão de qualidade? Não, não é. Apesar de todos defenderem a profissão de professor, e concordo que eles deveriam ganhar pelo menos o dobro já que o piso gira em torno de R$ 1200, não é verdade que todos são bons. A maioria das pessoas são incompetentes nas áreas em que atuam e o salário pode ajudar na frustração.

Eu passei em Administração na UFV assistindo o Telecurso 2000 no Youtube. Tudo bem que tive uma boa base, mas com certeza o Telecurso fez a diferença e o considero muito melhor que 80% das aulas que tive na vida. Um curso em vídeo, produzido por diversos profissionais de várias áreas, é claro que tem grandes chances de ser melhor que a aula produzida por apenas uma pessoa. E o que dizer dos maravilhosos documentários que nunca foram nem citados nas escolas? A impressão que dá é que alguns professores creem que sua voz de veludo, impacta muito mais que as produções cinematográficas e as imagens reais da segunda guerra :-/

Internet: Educação-Sociedade
A Internet na Educação e Governo Muda o Mundo

E o que dizer sobre o sistema CAPES para o aumento do salário dos professores baseado na produção de artigos pobres e que ninguém lê? No mínimo ridículo, pois existe uma coisa chamada blog! Através dele é possível rentabilizar o conteúdo postado e promover os aumentos salariais baseados na qualidade do artigo, que poderia ser medida pela audiência e comentários gerados. Isto diminuiria o tempo de trabalho do professor e aumentaria sua escalabilidade de ganhar dinheiro. Eu mesmo comprei um carro com a grana do meu blog, que já não era atualizado a uns três anos e mesmo assim insistia em me render uns 150 dólares por mês.

No momento, lendo minhas ideias compartilhadas aqui, me bate uma angústia de ver como algumas coisas podem ser simples, mas por ignorância de governantes se estendem por séculos. Estes, os principais culpados por tudo, nem discutem a necessidade de uma integração entre os departamentos de governo via software livre. É inacreditável que cada universidade pública tenha uma equipe de umas 50 pessoas para desenvolverem um software proprietário desintegrado de tudo em pleno órgão federal. E o governo ainda tem a audácia de lançar um selo de qualidade para software brasileiro, o MPS.br, sendo que já existe um internacional, o CMMI. E o pior é que alguns engenheiros acham a iniciativa bonita. No mínimo falta a eles estudar história, para saber que atitudes protecionistas da década de oitenta ou mais antigas, em que computadores não podiam ser importados, acabou dando em merda.

Para registar minha empresa pelo modelo de Empreendedor Individual, tido como mais simples que o SIMPLES, precisei ir ao SEBRAE, que não soube dizer qual era a minha atividade econômica no CNAE (Classificação Nacional das Atividades Econômicas). Portanto, de lá fui ao contador contando com a sorte, que não me fez valer o trabalho inicial, apenas me perder num imenso retrabalho retrocesso. Pois o contador também não sabia o que escolher no CNAE, que não possui a profissão de webdesigner ou coisa parecida, mesmo existindo há uns 20 anos e sendo extremamente característica de empreendedores individuais. O resultado foi a necessidade de refazer tudo e, para a minha surpresa, reenviar todos os documentos a cada um dos órgãos envolvidos no processo, até mesmo preencher o nome da minha mãe num documento que já constava meu número de identidade.

As escolas deveriam aumentar o uso da tecnologia na educação, se integrar mais ao mercado, desenvolverem produtos multimídia e serem patrocinadas pela audiência gerada em trabalhos escolares postados no blog, o qual os professores teriam porcentagens. O governo, deveria ter apenas um núcleo de desenvolvimento baseado em softwares livres, abertos à reutilização de quem quisesse. Os impostos e vagas públicas poderiam ser compartilhadas automaticamente no Facebook, através de um aplicativo de simples desenvolvimento. E os políticos deveriam fazer mais marketing político na internet, o que baratearia suas campanhas e evitaria a “necessidade” de corrupções posteriores. Enquanto isto não acontece, vou ficando na minha, desenvolvendo de mansinho estes conceitos e os incrustando em minha empresa web e produtos.

Os problemas do sistema educacional no Brasil e no mundo

Vídeo que fiz sobre minha opinião sobre os principais problemas da educação no Brasil e do sistema educacional como um todo.

Documentário sobre a História da Internet – Discovery

[tubepress mode=”playlist” playlistValue=”CzlU9INKZhuFzX2LoM-Fdj3bkZbr08B0″]

E vocês? Em que acham que a internet poderia ser usada para melhorar as instituições do governo e da sociedade? Por favor comentem! Obrigado.

Tsunamis e Terremotos no Japão: Motivos e Notícias

Motivos do Terremoto e da Tsunami no Japão

As causas e motivos mais comuns de terremotos e tsunamis no Japão são as colisões entre as placas tectônicas, sejam elas continentais ou oceânicas, sendo os choques entre placas tectônicas oceânicas, as que provocam maremotos ou tsunamis no Japão.

Porque a escala Richter é também chamada de Escala Aberta de Richter

A escala Richter vai de 1 a 9 porque os terremotos mais fortes já registratos foram no valor 9. Mas não existe limite a esta medida, por isso, fala-se em “escala aberta” de Richter.

Desmoronamentos Internos e os Terremotos no Brasil

Há outras causas e motivos que provocam terremotos, recentemente no Brasil, houve um terremoto que a causa foi uma área geologicamente instável, ou seja, não são apenas os choques entre as placas tectônicas que causam terremotos.

Nos terrenos sedimentares pode haver um ajuste de terra nas camadas mais profundas e provocar um abalo sísmico. Mas, este terremoto causado por abalo sísmico em terrenos sedimentares instáveis, na escala Richter, provavelmente será de baixa amplitude. Esses abalos sísmicos são conhecidos por “desmoronamentos internos”.

Últimas Notícias sobre os Terremotos e Tsunamis no Japão

[tubepress mode=”tag” tagValue='”tsunami japão” -japan’]

Japão: Tsunami e Terremoto causam destruição

Gostaria de disponibilizar este vídeo sobre a tsunami que atingiu a costa japonesa e destruiu várias cidades, para que as pessoas que não acompanharam as primeiras notícias sobre o desastres fiquem a par do que está acontecendo.

Temos fome, pobreza, falta de infra-estrutura e uma legião de jovens sem muito futuro em nosso país, tudo por causa de políticos corruptos. Ao mesmo tempo em que temos que rezar por nossos irmãos atingidos pela tsunami no japão, vale agradecer também por não existir este tipo de coisa por aqui. Mas o que causa mais mortes? Os terremotos ou os corruptos? Que venham os terremotos!

http://www.youtube.com/watch?v=vo_adRbNXmk

Conflito entre Judeus e Palestinos, o nascimento de Israel

É com prazer que disponibilizo mais um documentário sobre os conflitos palestinos e ataques terroristas em Israel e Oriente Médio. Este documentário, que pretende ser mais uma vídeo aula de história, assim como o “Occupation 101” e o “Um Lugar Chamado Palestina”, da TV Escola, procuram retratar os fatos a respeito da Questão Palestina com imparcialidade.

Como os outros documentários sobre a Palestina, ele se refere à traição Inglesa contra Judeus, Árabes e Russos como sendo uma das maiores causas dos conflitos entre Palestinos e Israelenses. Também fala sobre o veredito da ONU de criar um Estado Israelense, como sendo uma decisão errada, tomada por pressão dos EUA. Conta a história do povo Judeu na região, desde seus primeiros habitantes aos imigrantes da segunda guerra mundial, que chegavam fugidos da perseguição nazista e sobreviventes do holocausto. Além disso, também retrata o tratado de Camp David como sendo uma traição do Egito ao povo árabe, e explica os motivos desta traição a luz da guerra fria, em que o oriente médio era considerado ponto estratégico de influência capitalista, não só pelo petróleo, mas também pela seu posicionamento geográfico.

[tubepress mode=”playlist” playlistValue=”7F062807566E5D9B”]

Conflitos entre Israelenses e Palestinos. História da Questão Palestina

Nos últimos dias postei muita coisa a respeito da crise no Egito. No entanto, para entender os protestos do povo egípcio, é escencial conhecer a história da região e a trama internacional que envolve as guerras em que as super potências, como EUA e Reino Unido, se metem.

Assistindo um documentário sobre a palestina e a terra santa, descobri que as guerras na região, causada pelo mundo ocidental imperialista, é ainda mais antiga do que eu pensava, e que quem denunciou as falsas promessas da Inglaterra em troca de apoio militar, foi justamente o maior inimigo de Stalin, personagem cujo documentário também disponibiliei no site estes dias. Lenin foi quem apontou o dedo na cara da Inglaterra e mostrou ao mundo Árabe e Judeu, que a Palestina e a Terra Santa estava sendo prometida ao mesmo tempo, a Judeus, Árabes e URSS, em troca de apoio nas guerras travadas pelos países imperialistas ocidentais.

Vale lembrar o porque me referi a Lenin como sendo o maior inimigo de Stalin

vários historiadores consideram que Stalin evenenou Lenin para tomar seu lugar na URSS. Lenin e Stalin divergiam na opinião de quanto a expandir o socialismo para o resto do mundo, daí veio a denominação comunismo. A diferença entre comunismo e socialismo, é que falamos comunismo quando nos referimos em implantar o socialismo através de um golpe de estado, uma revolução, já o socialismo seria a transfomração gradual do capitalismo para tal sistema de mercado, sem mortes. Lenin achava que o problema do resto do mundo cada povo que se ajeitasse, enquanto Stalin sobre o mesmo pretexto de todo homem ganancioso, dizia que deviam expandir suas ideologias ao resto do mundo para libertar os povos da tirania do capitalista.

História da Região Palestina no Oriente Médio

Palestina é a denominação histórica dada pelo Império Inglês a um território do Oriente Médio situado entre a costa oriental do Mediterrâneo e as margens do Rio Jordão. Este território é disputado ardentemente entre Judeus e Árabes.

A área correspondente à região Palestina até o ano de 1948 está hoje dividida em três partes: uma parte é o Estado de Israel; duas outras (a Faixa de Gaza e a Cisjordânia), de maioria árabe-palestina, deveriam integrar um estado palestiniano-árabe a ser criado – de acordo com a lei internacional, bem como as determinações das Nações Unidas e da anterior potência colonial da zona, o Reino Unido. Entretanto, no ano de 1967, a Faixa de Gaza e a Cisjordânia foram ocupadas militarmente por Israel, após a Guerra dos Seis Dias e continuou ocupada devido a uma traição egípcia em troca do tratado de David Camp, em que os EUA prometeram ao Egito, que se apoiassem Israel eles devolveriam o Monte Sinai.

Há alguns anos, porções dispersas da Faixa de Gaza e Cisjordânia passaram a ser administradas pela Autoridade Palestiniana. Mas, devido aos vários ataques terroristas que sofre, Israel mantém o controle das fronteiras e está construindo atualmente, um muro de separação que, na prática, anexa porções significativas da Cisjordânia ocidental ao seu território.
O número de palestinos dispersos pelos países árabes ou em campos de refugiados, situados nos territórios ocupados por Israel, é estimada em 4.000.000 de pessoas.

A palavra Palestina deriva do grego Philistia, nome dado pelos autores da Grécia Antiga a esta região, devido ao fato de em parte dela (entre a actual cidade de Tel Aviv e Gaza) se terem fixado no século XII a.C. os Filisteus.

Os Filisteus não eram semitas e sua provável origem é creto-miceniada, uma das mais conhecidas (embora recorrentemente mencionadas) vagas dos chamados “Povos do Mar” que se estabeleceram em várias partes do litoral sul do mar Mediterrâneo, incluindo a área hoje conhecida como Faixa de Gaza. Segundo a tradição bíblica os Filisteus seriam oriundos de Caphtor, termo associado à ilha de Creta. Este povo é igualmente referido nos escritos do Antigo Egipto com o nome de prst, por onde também passaram e foram repelidos.

No século II d.C., os romanos utilizaram o termo Syria Palaestina para se referirem à parte sul da província romana da Síria. O termo entraria posteriormente na língua árabe e é usado desde então para se referir a esta região.

O nome do Documentário é “Um Lugar Chamado Palestina”, o certo seria “Palestina, um lugar de barganhas”

[tubepress mode=”playlist” playlistValue=”9948A68798F9F58D”]

Regime Militar no Brasil: Documentário Hércules 56

Resumo do documentário Hércules 56

O documentário HÉRCULES 56 é um longa metragem a respeito da luta armada contra a ditadura militar, trata principalmente sobre o seqüestro do embaixador americano Charles Burke Elbrick, que aconteceu na Semana da Independência de 1969. Em troca do diplomata dos EUA foi exigida a divulgação de uma manifesto revolucionário e a liberdade de quinze presos políticos, na época representante de todas as tendências políticas que eram contra a ditadura militar no Brasil. Banidos do Brasil e com a nacionalidade cassada, eles foram soltos no México, no avião da FAB Hércules 56.

Os principais personagens do filme são os remanescentes daquele grupo: Mario Zanconato, Agonalto Pacheco, Maria Augusta Carneiro Ribeiro, Ricardo Vilas, Ricardo Zarattini, Flávio Tavares, José Dirceu, José Ibrahin e Vladimir Palmeira. Os que já morreram estão presentes através de materiais de arquivo: Luís Travassos, Onofre Pinto, Ivens Marchetti, Rolando Frati, João Leonardo Rocha e Gregório Bezerra. Em entrevistas individuais, eles falam sobre as condições de atuação política no final dos anos 1960, sobre a prisão, a libertação, o curto período de permanência no México e o tempo vivido em Cuba, terminando por avaliar a experiência da luta armada no Brasil.

Para lembrar os objetivos e detalhes do seqüestro, o seu contexto e a repercussão sobre o processo político brasileiro, o filme promove a reunião entre Daniel Aarão Reis, Cláudio Torres e Franklin Martins, dirigentes da Dissidência da Guanabara (DI-GB), que idealizou a ação e passou então a adotar a sigla MR-8; e Manoel Cyrillo e Paulo de Tarso Venceslau, os dois únicos remanescentes da Ação Libertadora Nacional (ALN), que realizou conjuntamente a operação.

Uma terceira linha narrativa é constituída por vários vídeos e gravações de som da época, em grande parte inédito no Brasil, pesquisado nos Estados Unidos, Cuba, França e México.

[tubepress mode=’playlist’ playlistValue=’10E9A84D8648DF25′]

Dilma, José, Clodovil, a WEB, a Inflação e os Deputados Corruptos

Depois de ter visto o corte de 50 bilhões de reais, para combater a inflação, que a presidente Dilma anunciou e ter lido sobre o deputado federal José Antônio, a conclusão que chego é que o Clodovil é que tinha razão. Calma vou explicar.

O deputado José Antonio Reguffe foi notícia na VEJA por ser um deputado diferente, o que ele faz de tão extraordinário? Pasmem, abre mão de verbas desnecessárias, de 21 acessores dos 30 que cada deputado tem direito e do 14º e 15º salário. Quando perguntado o porque disso responde. Moro em Brasília, então não preciso de auxílio moradia e nem de tantas milhas para viagens de avião, já fui Deputado uma vez e sei que 9 acessores me atendem muito bem, além do que 30 não caberiam na sala, e se todo trabalhador recebe apenas o 13º e sou um representante do povo, nada mais justo que não receber o 14º e 15º salários.

Segundo estimativas da revista VEJA ao final de 1 mandato de 4 ano, a honesta atitude de José Antônio resultaria em uma economia de 2,4 milhões de reais! E se estas atitudes fossem repetidas por toda a Câmara, a economia total ao final do mandato de todos, seria de 1 bilhao, 228 milhões e 800 mil reais.

Se dinheiro atrai dinheiro, com certeza 1,2 bilhões investidos ao longo de 4 anos podem se transformar em pelo menos 10 bilhões. Esta seria a quantia economizada pelo país apenas com os deputados federais tomando vergonha na cara.

Agora imaginem se a proposta do Deputado Clodovil houvesse sobrevivido à Câmara? Ele propunha passar o número de deputados de 513 para 260. Este projeto foi feito com base em observação dos países desenvolvidos, em que muitos, apesar de terem uma população até maior que a do Brasil não chega aos seus pés em número de deputados. Reparem a tabela que compara o número de congressistas brasileiros e americanos com base no número de habitantes:

A população dos EUA é quase o dobro da do Brasil e nós temos mais congressistas (entenda-se vagabundos) que eles

Brasil – População 190 milhões
PIB (U$ bilhões ) 620
Deputados 513
Senadores 81
Total Congressistas 594

EUA – População 300 milhões
PIB (U$ bilhões) 12.500
Deputados 435
Senadores 100
Total dos Congressistas 535

Já sabemos quanto ganharíamos se os Deputados tomassem vergonha na cara e economizassem um pouquinho 10 bilhões em 4 anos, o que dá 2,5 bi ao ano. Agora vamos fazer a contabilidade do quanto ganharíamos se eles não fossem tão numerosos quanto baratas, se fosse como nos EUA:

Um Deputado custa ao país 166 mil, 512 reais e 9 centavos por mês. Multiplicando-se isto por 12, resulta num custo anual de 1 milhão, 998 mil, 145 reais e 8 centavos. Como 513 menos 260 é igual a 253, se multiplicarmos isto pelo custo anual de cada Deputado chega-se a economia anual de 505 milhões, 530 mil, 705 reais e 24 centavos. Como o mandato é de 4 anos, a economia total seria de 2 bilhões, 22 milhões, 122 mil, 820 reais e 96 centavos. Imaginando que isto, investido por um especialista, ao longo de 4 anos resulte em pelo menos 12 bilhões de reais, ou 3 bilhões ao ano , a economia pro povo brasileiro seria de 5,5 bilhões de reais anuais.

Mas, voltando a realidade a conta acima está errada porque ela foi feita com base nos dados referentes ao dia 22 de julho, quando saiu a reportagem da revista Super Interessante sobre quanto custa um Deputado, de lá pra cá houve o aumento de 61%, na surdina da semana de natal, do salário dos Deputados. Além disso, aposto que calculei os investimentos da economia por baixo e não levei em conta o poder de crescimento do páis se os Deputados fizessem um bom trabalho.

Diante de tudo isso e admirando a coragem da Presidente Dilma de fazer o corte de 50 bi, que irá nos custar o fechamento dos concursos federais por tempo indeterminado, o que acho que ajudaria o Brasil mesmo, seria eleger um presidente herói, capaz de bater no peito e fazer a reforma tributária, pevidenciária e política. Mas, como não podemos ficar parados esperando que um anjo caia do céu, devemos fazer nossa parte. Sugiro que sigamos o exemplo dos egípcios que usaram os novos meios de comunicação para acabar com a ditadura, crie um blog e denuncie. Além disso há sempre a possibilidade de ganhar dinheiro com o conteúdo que produzimos, o meu já paga o aluguél. Se não souber como criar um blog ou ganhar dinheiro com ele é só deixar um comentário que entrarei em contato para ajudá-lo.

Vídeo de Arnaldo Jabor elogiando a coragem da Presidente Dilma para fazer os cortes necessários para deter o aumento da inflação

Abaixo está a matéria na integra da revista Super Interessante sobre quanto custa um Deputado. Lembrando que a matéria é de 22 de julho de 2010, os custo já aumentaram bastante

Quanto custa um Deputado?

Reclamamos do alto salário dos 513 Deputados federais, mas ´o problema são as verbas`, diz o coordenador de projetos da ONG Transparência Brasil, Fabiano Angélico. No gráfico abaixo, o tamanho de cada item corresponde ao seu custo.

por EMILIANO URBIM, THAIS SANT´ANA, GABRIEL GIANORDOLI E CÁSSIO BITTENCOURT

Custo da Verba de Gabinete de cada Deputado
Custo da Verba de Gabinete de cada Deputado

VERBA DE GABINETE

Cada um dos 513 Deputados federais possui esta verba mensal para gastar com material de escritório e pagar até 25 assessores parlamentares. Os Deputados federais brasileiros estão entre os que podem contratar mais gente.

Valor da Verba Indenizatória de cada Deputado
Valor da Verba Indenizatória de cada Deputado

VERBA INDENIZATÓRIA

É para gastos com gasolina, comida, hospedagem, aluguel de escritório (sim, além dos que eles têm no Congresso) e consultorias – sendo que consultoria pode ser qualquer coisa que os Deputados decidirem chamar de consultoria.

Qual o Salário dos Deputados Federais?
Qual o Salário dos Deputados Federais?

SALÁRIO DOS DEPUTADOS FEDERAIS

Além do 13º, há mais dois salários extras no início e no fim do ano legislativo, para dar uma força.

DEPUTADOS GANHAM MAIS QUE O PRESIDENTE LULA

Não admira que Deputados se achem importantes: ganham mais que o presidente.

Custo do Auxílio Moradia para Deputados Federais
Custo do Auxílio Moradia para Deputados Federais

AUXÍLIO MORADIA

A ajuda no aluguel vale até para Deputados do Distrito Federal. A alternativa seriam apartamentos funcionais, que acabam repassados a assessores e parentes.

COTA POSTAL E TELEFÔNICA

É preciso muito correio e DDD para contatar as bases. A cota também pode incluir a conta da banda larga.

IMPRESSÕES E ASSINATURAS: R$ 1 000

Além de imprimir o que acharem necessário, nossos representantes têm uma grana para assinar jornais e revistas.

Passagens para Viagem e Assistência Média a Deputados Federais
Passagens para Viagem e Assistência Média a Deputados Federais

PASSAGENS

Deputados ganham viagem ida e volta de Brasília para o estado que representam. São R$ 9 mil por mês que não precisam de justificativa – pode ser convenção partidária ou festa junina.

ASSISTÊNCIA MÉDICA

O Deputado e sua família podem pedir reembolso ilimitado de gastos com saúde. Em 2009, a Câmara gastou R$ 50 milhões com médicos e dentistas: deu R$ 8 mil para cada.

Custo Mensal de um Deputado ao País
Custo Mensal de um Deputado ao País

CÂMARA INDISCRETA

Comparação do custo de um Deputado federal com a riqueza média gerada por um cidadão em alguns países.

Fontes ONG Transparência Brasil e Câmara dos Deputados

Motivos da “Guerra” no Egito e Consequências no Oriente Médio

Veja a cronologia dos acontecimentos e motivos dos protestos no egito contra a ditadura de Mubarak. Estes vídeos são uma coleção de vídeo notícias que te colocarão por dentro de tudo o que acontece com o povo egípcio, durante os protestos, e as consequências que cercam todos os povos, não só do oriente médio mas também do mundo. Caso queira um texto mais detalhado sobre o principal motivo dos protestos, clique sobre o link a seguir: ditadura financiada pelos EUA.

[tubepress mode=”playlist” playlistValue=”79EEB3E08B74A580″]

Egito: motivos do protesto contra a ditadura. O que os jornalistas não contam

Quando alguns famosos apelaram para uma grande celebridade americana se posicionar a favor da queda do presidente da câmara, José Sarney, a resposta foi curta e grossa: “só vocês podem fazer alguma coisa pelo Brasil, eu moro nos EUA”.

O engraçado da frase acima é que o país dele adora fazer coisas pelos países alheios. Financiou todas as Ditaduras Latino Americanas, várias na Ásia, África e Europa. Só não fizeram nada pela Oceania porque é um continente pequeno.

Entendo que no caos do crescimento comunista apoiado pelo ditador Stalin, o qual pregava a revolução a qualquer custo: morte aos barões do capitalismo e suas famílias, fosse necessário implantar uma ditadura para acalmar os ânimos. Mas, analisando que o Muro de Berlin já foi derrubado há 22 anos, nada justifica que os últimos 5 presidentes americanos continuassem a financiar a Ditadura Egípcia.

Se bem, que a ditadura no egito não tem nada a ver com comunismo. Desta vez a justificativa é a necessidade de manutenção da paz no mundo Islâmico. Paz? Mas que paz?

Os EUA, ao impôr a criação de Israel no coração do Mundo Islâmico, afrontou toda a comunidade muçulmana. Dando início à Guerra dos 6 Dias, em que Egito, Jordânia e Síria, apoiados pelo Iraque, Kwait, Arábia Saudita, Argélia e Sudão iniciaram um conflito armado contra Israel.

Os Estados Unidos entrou a favor dos Judeus e colocou fim aos ataques em 6 dias. Sabendo que, se não fossem feitos acordos e aliados, a guerra continuaria e Israel sairia perdendo, fez o acordo de Camp David com o Egito.

Com o acordo, o Egito retomaria a Península do Sinai e ajuda para comprar armamentos. Mas, teria de ceder espaço para uma base aéria americana, comprar somente armas americanas e dar informações sobre a estratégia que o Mundo Muçulmano usaria para dar continuidade à guerra.

Nessa altura dos acontecimentos, os islâmicos planejavam atacar Israel no dia de Yom Kippur (Feriado Judeu: Dia do Perdão). Mas, sem saber da traição egípcia, foram surpreendidos por tropas aérias americanas que aniquilaram completamente o exército muçulmano.

Vendo que guerras tradicionais eram como mosquitos fazendo cócegas no Tio Sam, o movimento Terrorista ganhou força, mas não foi bem aceito pela comunidade internacional. Por isto, Yasser Arafat deixou de lado as atividades do submundo, ganhou o prêmio Nobel e deu início a Entifada.

A Entifada tinha como projeto conseguir apoio da comunidade  internacional a causa islâmica, que estava deteriorada por ondas de ataques terroristas a civis, se inocentes ou não eu não sei, mas alheios ao que seus países fazem ao redor do mundo sim. A ideia era básica, desarmar os terroritas e colocar crianças jogando pedras contra tanques Israelenses, que acabavam atirando e minando a imagem de coitadinhos que os Judeus ficaram depois do Holocausto.

Como não conseguiram retomar nem o Território da Palestina com a Entifada, os ataques terroristas recomeçaram e estão nesta lenga lenga até hoje. O fim da ditadura no Egito pode representar um avanço no sentido da paz no oriente médio ou não, o que não pode continuar é a lenga lenga.

Vale lembrar que a Segunda Guerra, que trouxe os Judeus a Israel, é considerada por muitos críticos ou, por qualquer pessoa conhecedora da história e com bom senso, que foi apenas uma continuação da primeira. O motivo, uma dura derrota da Alemanha que seguiu-se de tratados humilhantes a toda a população do país que, enquanto a classe Judaica dominante estava aquecida em suas ricas casas, passavam fome e miséria.

Não estou querendo dar razão a ninguém, muito menos defendendo o Holocausto. Mas, quero lembrar que determinadas atrocidades acontecem por algum motivo.

A história deve ser contada, recontada e passada para as gerações futuras, para que com base nelas, não cometamos os mesmos erros do passado. Mas, antes de tudo a história deve ser tratada como fato jornalístico e não é o que se vê.

Qualquer jornal que leio ninguém fala sobre Guerra dos 6 Dias, Yom Kippur e Entifada, quando na verdade está tudo interligado. O que vejo é uma classe jornalística, se não burra, dominada pelo tempo de edição de cada matéria, que não dá espaço nem estimula a pesquisa da classe. Acredito mais na segunda opção.

As várias tecnologias estão mudando todos os mercados existentes. Somente quando os cidadãos souberem usá-las para rentabilizar suas ideias, é que não veremos mais os mesmos programas de TV e as mesmas matérias sem profundidade.

Gostaria de aproveitar este texto para reclamar de todas as matérias que vi sobre o WikiLeaks e Julian Assange aqui no Brasil. Além de deixar claro que os jornalistas da VEJA, ou não sabem inglês ou não se deram o trabalho de entrar no WikiLeaks.org, não fez menção quase nenhuma ao Partido Pirata. Mas, podem deixar que eu explicarei.

Wiki sinifica muito rápido em havaino e é uma palavra usada na web como sinônimo de colaboração, leaks significa vazamentos em inglês. A ideia do site é, através da colaboração de civis e empresas, publicar vazamentos governamentais que são muito constrangedores para o editor do jornal deixar passar, atrapalharia os negócios. Mas que publicados na web, pelas mãos do Julian Assange, não tem problema.

Em abril de 2010, o WikiLeaks publicou um vídeo mostrando um helicóptero Apache dos Estados Unidos, no contexto da ocupação do Iraque, matando pelo menos 12 pessoas – dentre as quais dois jornalistas da agência de notícias Reuters – durante um ataque a Bagdá, em 2007. Depois disto, o site ganhou vários inimigos e foi amparado pelo Partido Pirata.

Apesar de o Partido Pirata representar um abraço entre as virtudes socialistas e capitalistas e ser o movimento político que mais cresce no mundo, foi tratado como “um tal partido pirata” pela revista VEJA.

O que o Partido Pirata defende principalmente:

  1. Diminuição do tempo de direitos autorais em vários mercados
  2. Uso, desenvolvimento e apoio a softwares livres pelo governo
  3. Transparência governamental e participação popular através das tecnologias de informação

O Partido Pirata não defende nenhuma ideia nova, apenas busca dar amparo político a movimentos que já estão acontecendo: jovens através da tecnologia torrente trocam músicas na internet, empreendedores defendem dados do governo acessíveis via grid computing e eu tento rentabilizar o conteúdo produzido em sala de aula, para que, através disso se consiga um mundo mais sustentável. Um mundo em que a vida não passe tão rápido e com maiores possibilidades de escolha à geração atual e futura.

Comentário de Arnaldo Jabor sobre os Protestos no Egito

Ele deve estar lendo meu blog rsrs, pois fez a mesma relação que eu com as novos heróis cibernéticos, e foi depois de eu ter postado