O que é WordPress, Estrutura e História

Antes, o WordPress era apenas um sistema de publicação para blogs com código fonte aberto. Mas, com uma idéia muito forte: permanecer simples, para ser o máximo estável possível e respeitar os colaboradores, deixando-os ao máximo livres, para criar coisas novas.

Estas coisas novas, que os programadores colaboradores criavam, eram chamadas de plugins ou temas. Que, mediante a votação da comunidade, era decidido se seriam incorporados a nova versão do software em definitivo, ou continuariam sendo funções que se os usuários quisessem implementadas ao site, bastava instalá-las.

Estas funções ficam num repositório central junto aos temas. E, sempre que há uma atualização de um plugin ou tema, aparece um aviso no painel de controle do site em WordPress. Então, é só apertar o botão de atualizar e pronto. O plugin ou tema agora está com uma capacidade nova, seja de segurança ou funcionalidades.

A diferença entre plugin e tema é que normalmente um plugin está associado a uma funcionalidade, seja para ser aplicada ao design ou ao painel de controle (back end). Já o tema, normalmente está associado apenas ao design que o usuário vê, e a algumas poucas funcionalidades de gerenciamento do próprio tema (front end).

A estrutura de postagem para posterior navegação do usuário num site em WordPress é dividida em páginas, categorias, posts e tags, e deve ser escolhida na hora da publicação conforme a dinamicidade que se quer aplicar ao conteúdo. Um conteúdo de assunto estático, como por exemplo, o Fale Conosco e Institucional, deve ser publicado como página. Assuntos de publicações diárias, como por exemplo, notícias, devem ser publicados como posts em determinadas categorias. E as tags, devem ser anexadas aos posts contendo palavras-chave relacionadas, como se fossem categorias mais dinâmicas e complexas, possibilitando uma navegação menos rígida ao usuário.

O WordPress produz um endereço de RSS Feeds que distribui o conteúdo pela web, para cada URL criada. Se há um post, existe um RSS Feeds que contêm o texto e todos os comentários sobre ele. Uma URL de tag possui um RSS que contêm todos os posts em que a tag está anexada. E cada categoria também tem o RSS que contêm todos os posts que foram inseridos nela. Além disso, ainda há o RSS geral que carrega todos os textos publicados no site. Vale lembrar, que há plugins para manipular todos estes RSS Feeds, que possibilitam editá-los, excluí-los ou criá-los. Além das funções nativas para isto, é claro.

Atualmente o WordPress (WP) está na versão 3.0.5 e conta com duas grandes atualizações anuais, geralmente uma voltada para o design e outra para a programação. Existe uma equipe de 150 pessoas envolvidas diretamente no core do WP. Mas, ela está em constante contato com a comunidade mundial, que dá dicas, ajudas e votos, para determinar o que deve ou não ser feito. O último grande avanço da plataforma foi possibilitar o gerenciamento de vários sites com apenas uma instalação. Para fazer isto antes, era preciso usar o Wordpres Multi User (WPMU), que era uma vertente do WordPress normal. Isto originou um novo nome, o WordPress Multi Sites (WPMS).

WordPress robots.txt with disallow, noindex and sitemap filetype

robots-txt-wordpress
robots-txt-wordpress

Sintaxe do robots.txt, como funciona e ajuda na indexação

  • http://www.searchtools.com/robots/robots-txt.html
  • http://www.askapache.com/seo/seo-with-robotstxt.html

Construtores automáticos de robots.txt

Geradores automáticos de robots.txt não são bons de serem usados. Pois o robots.txt deve ser feito de acordo com a estrutura de navegação do site e da plataforma em cima da qual foi contruído. O difícil em montar um bom robots.txt não consiste na linguagem, que é banal, e sim no conhecimento sobre oque deve ou não ser indexado, e é isto que varia de site para site e/ou de plataforma para plataforma. Como disse, não tem porque usar isto. Portanto que te sirva apenas de exemplo:

  • http://www.marketingdebusca.com.br/robots-txt/
  • http://www.mcanerin.com/EN/search-engine/robots-txt.asp

Ferramentas para testar sintaxe:

Ferramenta boa para aconselhar e verificar se tem erros em seu robots.txt, mas quem deve dar a palavra final deve ser você. Não entendi porque ele aconselha a não fazer várias coisas que todo mundo faz, talvez ele te aconselha do ponto de vista mais genérico. Por isto é bom entender como os diversos robôs funcionam também, e vale à pena seguir as diretrizes apenas da google.

  • https://www.google.com/webmasters/tools/robots

Veja como os Robôs veêm sua página em tempo real:

Uma excelente ferramenta para “sentir-se na pele” de um robô de busca:

  • http://www.xml-sitemaps.com/se-bot-simulator.html

Erros de SEO que podem levar seu site a perder audiência

  • http://www.brpoint.net/nao-crie-uma-gaiola-para-o-google.html

Textos sobre robots.txt específicos para WordPress

  • http://codex.wordpress.org/Search_Engine_Optimization_for_Wordpress
  • http://www.twentysteps.com/creating-the-ultimate-wordpress-robotstxt-file/ (o que mais gostei até agora e que tem mais haver com o oficial)
  • http://www.askapache.com/seo/wordpress-robotstxt-seo.html

Exemplos de robots.txt de sites respeitados e de boa audiência

Todos os sites abaixo usam o WordPress como CMS para gerenciarem seus sites. Notem que há muita coisa em comum entre eles. Vale notar também que o robots.txt da Smashing Magazine possui alguns “Allows” para “tags” em seu robots.txt, isto acontece quando se tem certeza que não causará conteúdo duplicado e sua tag está otimizada como uma boa palavra-chave. Talvez seja interessante “dar um Allow” também para as tags de mais audiência do seu site, isto pode ser visto pelo Analytics. Talvez elas sejam de grande audiência justamente por estarem bem otimizadas do ponto de vista de SEO.

Reparem também que há pessoas que usam bloquear totalmente as páginas de datas, tags, pages ou categorias. Ao bloquear as minhas pages, archives e tags, eu perdi muita audiência e vi que os textos oficiais do WordPress.org e vários outros textos não recomendam isto, por isto, por enquanto não recomendo.

Notem que os que retiraram as tags por inteiro (a Smashing Magazine não fez isto), ainda o fizeram de forma errada, porque se escreve /tag/ no robots.txt e não /tags/, pois não existe esta pasta no plural. Parece que isto aconteceu porque todo mundo copiou o robots.txt do brPoint, que pelo que vi é o texto em português mais famoso sobre o assunto. Vamos aprender inglês galera!

Robots.txt da Smashing Magazine: http://www.smashingmagazine.com/robots.txt

Sitemap: http://smashingmagazine.com/sitemap.xml

User-agent: Mediapartners-Google*
Disallow:

User-agent: *
Disallow: /cc/
Disallow: /wp-admin/
Disallow: /tag/
Disallow: /wp-rss.php
Disallow: /wp-rss2.php
Disallow: /*?
Disallow: /*comment-page

User-agent: *
Allow: /tag/wallpapers/
Allow: /tag/icons/
Allow: /tag/photos/
Allow: /tag/css/
Allow: /tag/javascript/
Allow: /tag/wordpress/
Allow: /tag/photoshop/
Allow: /tag/typography/
Allow: /tag/freebies/
Allow: /tag/tools/
Allow: /tag/tutorials/
Allow: /tag/freelance/
Allow: /tag/CMS/
Allow: /tag/illustrator/
Allow: /tag/ui/
Allow: /tag/usability/
Allow: /tag/flash/
Allow: /tag/blogs/
Allow: /tag/navigation/
Allow: /tag/portfolios/
Allow: /tag/textures/
Allow: /tag/brushes/
Allow: /tag/favicons/
Allow: /tag/logos/

User-agent: MSIECrawler
Disallow: /

User-agent: psbot
Disallow: /

User-agent: Fasterfox
Disallow: /

Sitemap do Brpoint: http://www.brpoint.net/robots.txt
Artigo escrito sobre Robots.txt: http://www.brpoint.net/o-robotstxt-ideal-para-o-wordpress.html

# BEGIN XML-SITEMAP-PLUGIN
Sitemap: http://www.brpoint.net/sitemap.xml.gz
# END XML-SITEMAP-PLUGIN

User-agent: *
# remova os diretorios
Disallow: /cgi-bin/
Disallow: /wp-admin/
Disallow: /wp-includes/
Disallow: /wp-content/plugins/
Disallow: /wp-content/themes/
Disallow: /trackback/
Disallow: /feed/
Disallow: */feed/
Disallow: /tags/
Disallow: /*feed*
Disallow: /*index.html$
Disallow: /recomendo

User-agent: Googlebot
# remover scrips css e afins
Disallow: /*.php$
Disallow: /*.js$
Disallow: /*.inc$
Disallow: /*.css$
Disallow: /*.wmv$
Disallow: /*.cgi$
Disallow: /*.xhtml$

# permitir o adsense em qualquer url
User-agent: Mediapartners-Google*
Disallow:
Allow: /*

Robots.txt do Futilidade Pública: http://futilidadepublica.semjuizo.com/robots.txt
Artigo escrito sobre Robots.txt: http://futilidadepublica.semjuizo.com/2007/06/17/brpoint-o-blog-que-duplicou-as-visitas-deste-blog/

User-agent: *
# remova os diretorios
Disallow: /cgi-bin/
Disallow: /tag/
Disallow: /wp-admin/
Disallow: /wp-includes/
Disallow: /trackback/
Disallow: /feed/
Disallow: /tags/
Disallow: /programas

User-agent: Googlebot
# remover scrips css e afins
Disallow: /*.php$
Disallow: /*.js$
Disallow: /*.inc$
Disallow: /*.css$
Disallow: /*.gz$
Disallow: /*.wmv$
Disallow: /*.cgi$
Disallow: /*.xhtml$

# qualquer endereco que contenha ?
Disallow: /*?*

# permitir o adsense em qualquer url
User-agent: Mediapartners-Google*
Disallow:
Allow: /*

#Sitemap
Sitemap: http://futilidadepublica.semjuizo.com/sitemap.xml

Robots.txt do Yogodoshi: http://www.yogodoshi.com/blog/robots.txt
Artigo escrito sobre Robots.txt: http://www.yogodoshi.com/blog/wordpress/robotstxt-para-wordpress

User-agent: *
Allow: *
# remova os diretorios
Disallow: /cgi-bin/
Disallow: /tag/
Disallow: /wp-admin/
Disallow: /wp-includes/
Disallow: /trackback/
Disallow: /tags/

User-agent: Googlebot
# remover scrips css e afins
Disallow: /*.js$
Disallow: /*.inc$
Disallow: /*.css$
Disallow: /*.gz$
Disallow: /*.wmv$
Disallow: /*.cgi$

# permitir o adsense em qualquer url
User-agent: Mediapartners-Google*
Disallow:
Allow: *

Robots.txt para imgens

Artigo escrito sobre Robots.txt: http://www.fique-rico.com/2009/08/10/semana-do-seo-gerindo-o-acesso-dos-robots-ao-seu-blog/

Geradores automáticos de robots.txt não são bons de serem usados. Pois o robots.txt deve ser feito de acordo com a estrutura de navegação do site e da plataforma em cima da qual foi contruído. O difícil em montar um bom robots.txt não consiste na linguagem, que é banal, e sim no conhecimento sobre oque deve ou não ser indexado, e é isto que varia de site para site e/ou de plataforma para plataforma.

Curso de SEO e Monetização grátis, aumente a audiência do seu site

seo-monetizacao
seo-monetizacao

Olá a todos, estou montando um curso intermediário de SEO para quem quer começar a ganhar algum trocado na internet. Porém exige um certo vocabulário técnico para entender o conteúdo, por isto coloquei ele em primeiro. Abaixo segue o release. Obs: publiquei este texto a pedido de alguns leitores, porém ainda não o terminei, obrigado pela compreensão.

O curso básico de SEO para WordPress encontra-se neste link: http://yoast.com/articles/wordpress-seo/

Conhecimento técnico necessário para se fazer um trabalho de SEO no WordPress

Já testei várias plataformas CMS (Content Management System) e com certeza o WordPress é o melhor, tanto para blogs quanto para grandes portais. Ele já nasceu do jeito que os buscadores gostam. Portanto para se fazer um trabalho de SEO para algum site WordPress que não exija trabalho com programação e banco de dados basta saber:

  • Conversar com os motores de busca através do arquivo robots.txt
  • Manter URLs antigas funcionando através de redirecionamento 301 no .htaccess

Vocabulário

  • Volume de pesquisas global mensal – volume de pesquisa pordeterminada palavra no google no mundo inteiro
  • Exact Match – busca por palavra-chave exata, sem sinônimos
  • Bookmarking – links de parceiros
  • Backlink
  • Tracklink
  • Front-End – Também chamado de design do site ou tema, é onde o usuário navega e que é indexável
  • Back-End – Painel de controle, apenas pessoas logadas podem entrar, nada lá é indexável
  • Links internos – Links do seu site que apontam para páginas do próprio site
  • Links externos – Links do seu site que apontam para páginas de terceiros
  • HTML Tags
  • Meta Description – HTML tag que contém a descrição da página
  • Meta Keyword – HTML tag que contém palavras chaves relacionadas ao assunto da página
  • URL Amigável – Como configurar no WordPress
  • Dofollow – Tag que serve para avisar aos motores de busca para indexar tal página
  • Nofollow – Tag que serve para avisar aos motores de busca para não indexar tal página
  • Volume de pesquisas local
  • SOC mede
  • Se tiver SOC zero, pode ser em função de algum caractere especial, neste caso, elimina-se este resultado.

Sites sobre como conseguir ganhar dinheiro na internet

Exemplos bem sucedidos:

Programas para análise de SEO:

O melhor programa para análise de SEO é o Market Samurai, veja porque em:

Submeter a sites de bookmarking

  • O segundo passo a dar, e isto partindo do princípio que os blogs já tem um ou dois posts, é submeter a sites de social bookmarking com links dofollow.  Quando submeto os meus blogs aos sites dofollow, uso sempre como texto âncora as palavras chaves do URL, pois são essas as palavras para o qual me interessa indexar bem.  Para reduzir ao minímo o tempo despendido nesta tarefa, eu uso o SocialMarker para submeter a 19 sites com dofollow em pouco mais de 5 minutos.  Outro site que podem usar para facilitar esta tarefa é o SocialPoster.  Inicialmente eu submeto apenas o link para o “homepage” do site, com as palavras chaves do URL, mas podemos sempre voltar aos sites de bookmarking para criar deeplinks para alguns posts.  Independentemente do site que usarem, o mais difícil é mesmo criar um perfil em cada um destes sites sociais, mas também é algo que só fazem uma vez.  Podem ler mais sobre o SocialMarker e SocialPoster neste post.

Comentar em blogs dofollow

  • O objectivo deste passo é em tudo idêntico ao anterior, apenas permitindo obter links de sites diferentes, e consiste em comentar em blogs com dofollow nos comentários.  Eu uso a list de blogs com links dofollow nos comentários da CourtneyTuttle, que tem mais de 200 sites.  Por norma obtenho alguns links para a homepage e deeplinks para posts, sempre com o texto âncora que pretendo.  Por uma questão de respeito, faço sempre comentários que considero úteis para o autor do blog.  Não sendo sempre possível, tento comentar em blogs que estejam relacionados com o conteúdo do meu site, pois os links teram mais valor.

O que é site de nicho

  • Mais de 13000 pesquisas globais mensais não é considerado nicho, e menos de 1000 pesquisas é pouco

Principais fatores que ajudam na indexação

  • Estrutura do tema e conteúdo otimizado com tags HTML semânticas (h1, h2, h3, …)
  • Link Juice nos lugares certos, usa-se tags nofollow para isto
  • Conteúdo novo deve passar pela home (se ela for indexável)
  • Tema com código fonte limpo
  • Backlinks para seu site, importante fazer parcerias
  • Nicho bem estabelecido
  • URLs, meta description, meta keywords, título e conteúdo (deve conter foto, vídeo, áudio, links, palavras chaves em negrito e itálico) com palavras chaves inseridas
  • Devemos deixar todos os artigos a dois cliques de distância: http://www.brpoint.net/deixando-todos-os-seus-artigos-a-dois-cliques-de-distancia.html

Fatores não indicados nas diretrizes

  • Uma página não deve ter mais de 100 links a serem indexados. De acordo com as diretrizes da Google isto seria motvo para ban automático. Porém, é conscenso que isto é apenas uma recomendação, e que se desrespeitada não causa grandes problemas.

Exemplo de uma página com palavras chaves bem otimizadas

O link indicado contém um dos textos mais completos sobre como otimizar uma página para determinada palavra-chave e quais fatores influenciam nisto: http://www.seomoz.org/blog/perfecting-keyword-targeting-on-page-optimization

Programas para análise de conversão de layout

http://movieoctopus.com/micronicho/

[tubepress mode=”user” userValue=”InsideAdSensePT”]

Bons sites para se baixar temas para WordPress, gratuitos e pagos

CMS WordPress
CMS WordPress

Temas gratuitos para WordPress

Theme Lab: Site com algumas indicações de temas gratuitos por natureza, não é site pirata, logo não tem muitos temas no estilo magazine rsrs

Theme Hybrid: Comunidade que desenvolve child themes a partir de um framework, que seria uma espécie de tema principal que já traz algumas funções a serem chamadas nos Child Themes, ao lado do Art Hacker creio que seja um dos sites mais interessantes para se achar bons temas

Art Hacker: Site pirata, com vários temas que na verdade são pagos sendo destribuídos gratuitamente

Temas pagos para WordPress

Woo Themes: Um dos sites mais famosos de temas Premium para WordPress, porém não curto muito o trabalho deles, acho os temas deles muito básicos. Creio que seja um dos mais famosos pelo tempo que está no mercado

StyleWP: Esta é a empresa responsável por fazer um tema idêntico ao do New York Times. Comentei sobre ela neste post e de quebra coloquei um linke para download gratuito 😉

Gabfire Themes: Foi esta empresa que fez o tema no qual o Art Hacker está sendo rodado, acho uma empresa muito boa, seus temas são para sites de médio porte

http://www.arthack.org/

Dicas de plugins do wordpress para se trabalhar com imagens

Aranha tesoura
Várias opções de corte

É sabido que o objetivo principal deste site é te procpiciar um ambiente em que você possa escolher seu professor. Porém, também acho interessante ensinar como criar este ambiente, e é por isto que sempre escrevo algumas coisas técnicas aqui no portal sobre como o criei e como o administro.

Em breve também pretendo publicar mais vídeos e coisas engraçadas, pois assim a audiência jovem cresce e consigo mais atenção deles para as vídeo aulas. Então em breve farei uma nova reforma aqui no site, mas desta vez eu prometo que não ficarei fora do ar nem um dia! Espero que a indicação dos plugins abaixo ajude.

Plugin para redimensionar imagens no WordPress

Scissors – Plugin que permite redimensionar a foto enviada pro servidor

Plugin para otimizar e compactar imagens no WordPress

WP Smush.it – Plugin que otimiza automaticamente a imagem enviada, ele usa uma API do Yahoo

Plugin que gera thumbnails como novos tamanhos no WordPress

Regenarate Thumbnails – Gera novamente as miniaturas das imagens quando se altera o tamanho padrão no painel de configurações de mídia

Plugin para se trabalhar com álbuns e galerias de fotos no WordPress

NextGen Gallery – Plugin que permite se trabalhar com álbuns e galerias no WordPress

Tem vários outros plugins para se trabalhar com imagens no WordPress, porém estes são os principais. O WP Smush.it eu considero escencial, visto que várias pessoas não sabem otimizar a fotos antes de enviá-la pro servidor.

E lembrem-se, plugins demais faz mal pro servidor rsrs, então cuidado e um grande abraço a todos!

Posts relacionados com thumbnails e barra de navegação fixa, dois bons plugins wordpress

wordpress-plugin
wordpress-plugin

Ultimamente tenho achado muita coisa interessante para wordpress na web que não está no repositório central de plugins. Talvez por não ser interessante para a empresa ter um plugin com licensa GPL Compatible ou por ainda estar na versão beta. Mas que com certeza valem a penapelo menos testá-los.

O primeiro plugin que gostaria de indicar é o LinkWithin, com ele é possível adicionar em seu post uma lista de posts relacionados. Até aí tudo bem, tem vários outros plugins que fazem isto. Mas seu diferencial é trazer junto com o título dos textos uma foto em miniatura, o que chama bastante atenção do leitor para o conteúdo. Outro ponto forte dele talve seja o de consumir processamento de servidores externos, então se você está tendo problemas de consumo de servidor e não quer abrir mão de um plugin de posts relacionados talvez este seja uma boa pedida.

O segundo é um plugin de navegação para seu site. Ele fica fixo na parte inferior e pode ser minimizado. Até a presente data está em sua versão beta, mas parece que promete. A emrpesa desenvolvedora parece esta bem aberta a sugestões. Através dele já dá para buscar, traduzir, e é integrado com o Twitter, FaceBook e permite inserir um recado para que seja visto sempre que alguém entrar no site.

Obrigado!

Curso de SEO em vídeo aulas. Aumente a audiência do seu site!

Vídeo aulas de SEO grátis
Vídeo aulas de SEO grátis

O objetivo deste site é pesquisar como a internet muda o mundo e também propôr mudanças. Além disto também ensinamos como fazê-las, é por isto que além de vídeo aulas sobre assuntos tradicionais tratados em escolas e universidade disponibilizo também vídeo aulas técnicas sobre assuntos voltados à web. Esta coleção de vídeo mostra como melhorar o desempenho do seu site perante os mecanismos de busca e assim aumentar sua audiência. Aproveite!

[tubepress mode=’playlist’, playlistValue=’B64E30E216A6D4E2′]

Como configurar o WordPress para funcionar “quase” perfeitamente com o plugin wp_oneinstall

Já escrevi num post anterior sobre alguns plugins que permitem oferecer ao cliente uma plataforma sempre atualizada, com o menor trabalho possível e ocupando o menor espço possível no servidor. O que permite esta façanha é o plugin wp_oneinstall, com este plugin é possível rodar vários sites sobre apenas uma plataforma, mas para se fazer isto sem muitos problemas é preciso saber algumas coisas.

Plugins que geram arquivos como o Global Translator e o Hyper Cache e não permitem escolher um caminho absoluto para armazená-los, não funcionam em harmonia com o wp_oneinstall, pois já pensou todos os arquivos gerados por todos os sites que rodam sobre a mesma plataforma armazenados apenas em uma pasta? Não rola!

Porém paratodas as outras coisas na vida dá-se um jeitinho. Se você não usa os plugins citados acima, mas usa o NextGen, o Google Sitemaps e usa o upload de imagens nativo do WordPress você deve configurar o caminho absoluto onde os arquivos gerados por estes plugins devem ser guardados.

O Google Sitemaps, gera um arquivo XML que por padrão fica na raiz da instalação do WordPress, sugiro que seja guardado em wp-content/sitemap/nome-do-site.

O Global Translator gera arquivos de tradução por padrão na pasta wp-content/gt-cache, sugiro adicionar /nome-do-site dentro da pasta gt-cache.

As imagens enviadas pelo gerenciador de imagens nativo do WordPress, por padrão são armazenadas em wp-content/uploads, sugiro que adicione a pasta /nome-do-site no caminho absoluto, isto é setado em configurações>mídia.

Por fim, o NextGen armazena suas galerias dentro de wp-content/gallery, sugiro também adicionar /nome-do-site dentro da pasta gt-cache.

Mas eu estou planejando tentar conseguir aporte de capital de risco na Campus Party para investir em software livre, e se eu conseguir a primeira remessa será investida para melhorar os plugins Hyper Cache e Global Translator para fazer com que eles rodem em harmonia com o plugin wp_oneinstall.

Saiba como aumentar a audiência do seu portal e atrair mais visitantes

– Saiba de onde tirar conteúdo, por exemplo, se você quer vídeos de alta qualidade pegue-os no Vimeo, se quer com longa duração o Google Vídeo talvez seja uma boa, e se quer puxar uma playlist inteira ou vídeos de rápido carregamento use o Youtube em parceria com o plugin Tubepress do WordPress. Mas quando se fala em ganhar dinheiro com vídeo pela net o negócio é o Metacafe.

– Tenha uma idéia de como funciona a audiência geral da web no Brasil e no mundo. Por exemplo, os grandes portais brasileiros são Terra, BOL, UOL, IG. Os médios são os sites agregadores de conteúdo e blogs famosos como o interney.net. Assim, você poderá ter exemplos do que funciona e do que não funciona, pra que reinventar a roda?!

– Mantenha alguns fórums próprios ou rodando em sistema de terceiros, como os que sou moderador no Google Groups

– Responda sempre que possível o comentário de leitores

– Tagueie corretamente seu texto e as fotos que estão anexadas a ele

– Dê uploads das fotos que for usar no seu texto com palavras chaves que tem haver com a figura. Exemplo: se a foto for do Lula, o ideal seria que o nome da foto fosse lula-presidente-brasil.jpg, assim facilita a vida dos buscadores ao indexar sua foto e consequentemente você capta mais audiência

Comente em outros blogs, portais e fóruns, sempre deixando o linke do seu site, fazendo um comentário de qualidade e de preferência indicando um texto seu relacionado ao assunto

– Linke palavras e frases que estejam relacionadas a outros posts seus, se não tiver linke para sites externos, mas que sejam textos de qualidade

– Trabalhe para melhorar o conteúdo dos seus posts antigos

– Utilize técnicas para melhorar cada vez mais a indexação de textos antigos. Exemplo: inserir palavras chaves no texto, na URL, nas tags e keywords, utilize negrito ao escrever uma palavra chave, utilize tags de HTML como < h1 > para destacar o título do texto e < h2 > para destacar o subtítulo

– Envie o linke de seus posts para sites agregadores de conteúdo

– Tenha uma  lista de mailing para enviar seus textos ou newsletters

– Esteja por dentro das discussões sobre como ganhar dinheiro na Web, pois elas geralmente tem haver com aumento de audiência

Melhore o desempenho do seu site nas buscas do google através de análise de suas URLs e palavras chaves no Google Analytics

Options WordPress Theme 1.3.1, an amazing magazine theme

This is the official text about the descontinued Options theme, made by Justin Tadlock, I put the last version in the web to our comunity implement the Hybrid Framework using some examples of Options Theme. But, if you want to use it, fill free!

Version 1.3.1 of the Options WordPress theme

I know many of you have been waiting for the next installment of Options because WordPress 2.7 is rapidly approaching and you’d like to try out some of the new features.

I had originally planned to roll out a revamped version 1.4, but I’m thinking that’s going to take a month or so of testing and code tweaking.

Instead, I put together a minor release — version 1.3.1 — that’ll let you take advantage of threaded comments. Each of the child theme’s style.css files have had some minor tweaks to the comments section to style these.

The future of Options

There might be a little concern that Options won’t get as much attention as my Hybrid theme. This is true and not true.

Version 1.4, when it’s released, will probably be the last major overhaul of the theme. I’ll still keep the theme updated with bug fixes and adding the ability to handle new WordPress features, but there won’t be any more feature sets added to the theme afterward.

Options will be at a point where it’s fairly stable and won’t need too many changes. Also, for those of you on the cutting edge, I’ll be releasing Version 1.4 Alpha for testing in the next few days.

What you need to know

This release as well as all newer versions are for WordPress 2.7+ only. To upgrade, simply delete your previous options folder and replace it with the new one.

The Blue Danube, Options Light, and Shadow child themes are packaged with this release as before, so your directory structure should look like this:

/wp-content
	/themes
		/blue-danube
		/options
		/options-light
		/shadow