Idéias que dariam certo, tecnocracia da Revolução Digital

Há muito que eu vinha querendo escrever este post e não fazia na esperança de um dia poder concluir estes projetos eu mesmo. Mas com amadurecimento da idéia vi que por enquanto está um pouco difícil. Algumas das minhas idéias exigem conhecimentos que eu não tenho, e o mais importante: grana para mobilizar pessoas. Audiência graças a Deus tem amentado constantimente, isto não é o problema. E é por saber que já tenho uma pequena importância no mundo web que coloco minhas idéias a favor de todos a disposição em meu blog seguindo a lei do Creative Commons mais básica: quem for executá-la converse comigo antes e obtenha o meu aval.

Uma das minhas idéias já escrevi sobre em meu blog, que é fazer um navegador com suporte de download via torrent. Isto iria transformar cada pc realemente num servidor. O que pressionaria uma demanda por máquinas mais potentes, elevando assim o preço e a importância do hardware num determinado período de tempo. Descentralizaria também o poder de sites de serviço de armazenamento de dados, como o próprio Youtube. Pois ao invés de pessoas procurarem vídeos sobre determinado assunto no Youtube iriam procurar dentro do PC do cara que ela sabe que é especialista e confia nele. Afinal seria uma busca refinada porque com certeza se o cara for um bom profissional e sintonizado com a tecnologia a ponto de servir dados relativos ao conhecimento que domina é porque ele já deve ter feito uma pesquisa dos vídeos disponíveis na web. Cada pessoa seria um filtro. E sua filtragem seria medida por sua confiabilidade. Ele poderia até ganhar uma graninha com isto só mudando a cor de seu papel de parede por exemplo, que iria ficar com visualização disponível pra quem navegasse pela sua pasta de arquivos compartilhados. Quer coisa mais fácil que isto para ganhar uma graninha?! Meio difícil não? A idéia para alguns pode parecer um tiro no pé, visto que com certeza incentivaria a pirataria, mas isto é um problema do mercado e não nosso. Para a google com certeza é uma boa idáia visto que não é tarefa simples alugar um linke patrocinado ou inserí-lo em seu site. Até profissionais se deparam com problemas para fazer isto. Agora ganhar grana com a tela do desktop de cada pessoa já é uma coisa muito mais fácil para o usuário normal e para a Google!

Uma outra idéia é começarem a patrocinar especialmente vídeo de professores no Youtube como forma de promover uma empresa. Funcioanaria assim:

_ Vamos supor que a Petrobrás esteja patrocinando uma prova e quem terá o direito de fazer esta prova serão os alunos presenciais(não só via web) do professor mais visitado do Youtube. Todos os vídeos postados e feitos pelos professores serão sobre o assunto da prova. E quem levará a bolada do patrocinador será o aluno que tirar a maior nota. E o professor ganhará com a publicidade que a google começará a inserir no Youtube ao final do ano(foi o que escutei), fiquei sabendo que será tipo uma marca d’água e 50% é de quem fez e 50% pra Google. Isto iria ser bom pra todos. Primeiro pro professor que ficará famoso, pois seus vídeos serão impulsionados por uma forma de promoção(assunto badalado), com isto ganhará a grana da publicidade e seu salário será impulsionado pela lei de oferta e procura que agirá pela disputa pelo professor, afinal é do interesse dos cursionhos terem um professor como este, pois todos os alunos querem concorrer à bolada. Assim o preço da mensalidade do cursinho que detiver o professor campeão de audiência aumentará e os alunos ficarão felizes com isto, pois sabem que pelo menos não estão estudando pra nada, estão concorrendo à 500 MIL REAIS!

Estas duas idéia por si só tem força para quebrar o sistema e surgir um novo e melhor. Imaginem só a VALE fazendo uma prova cujo o conteúdo é oferecido através de aulas postadas no Youtube e aplicada presencialmente. O cara que conseguir passar será efetivado no cargo. E o mais importante e DESTRUIDOR DE PARADIGMAS, tendo terceiro grau ou não! Isto iria tirar a hegemonia do MEC e gerar vários cursos gratuitos. Afinal o conteúdo vai estar na web, de graça e vai ter uma prova ao final que se você passar já estará ingressado no mercado de trabalho. Pra quê faculdade? É claro que quem tiver as vezes terá mais chance, mas as vezes não. às vezes o professor virtual é tão bom que conseguiu dar conta do recado, e o aluno ainda é dedicado e fez todos os exercícios sugeridos. Qual tem mais chance? Um universitário vagabundo ou o vagabundo com força de vontade? Sem contar que a faculdade também é bom para fazer amigos, tem um fator social muito mais importante do que muita gente pensa, eu sei do que estou dizendo, estou passando por dramas relacionados a isto. Mas do ponto de vista profissional, pedagógico e de seguir leis de mercado EU ACREDITO NA MINHA IDÉIA!

Esta idéia foi postada no Projeto 10 elevado a 100, que é patrocinado pela Google. Para saber mais sobre este projeto ou como votar na minha idéia para ela ser desenvolvida pela google é só visitar o seguinte linke: Projeto 10 elevado a 100.

Para dar uma instigada maior em relação ao projeto da Google aí vai o vídeo promocional, que ficou muito bom, diga-se de passagem.

httpv://br.youtube.com/watch?v=KuTrVRRbh5U&eurl=http://www.project10tothe100.com/intl/PT_BR/index.html

Publicado por

admin

Graduado em admnistração pela UFV, atua na como coordenador de projetos web há mais de dez anos. Já trabalhou em 3 empresas no Vale do Silício e gerenciou mais de 1 milhão no Google Adwords e 100 mil dólares no Facebook.

2 comentários sobre “Idéias que dariam certo, tecnocracia da Revolução Digital”

  1. Ei Diego!
    Muito bom seu post. Isso me faz pensar na Revolução Digital como a Revolução Francesa, com seus ideiais de eliminar diferenças sociais.
    E que venha essa Revolução… da internet, da educação, do homem, do mundo!
    Beijo Grande!

  2. Muito bom seu comentário. Parece ter captado direitinho, a idéia do blog é esta mesmo e cada vez mais eu acho que ainda estamos no renascimento só que agora temos a ferramenta para fazê-lo de verdade! Akele bjo Jú…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *