Filme About Time (Questão de Tempo), Download Completo

Quem nunca quis voltar no tempo, simplesmente para ter mais tempo, ou para aproveitar melhor uma oportunidade ou mesmo para criá-la? É sobre isso que se trata o filme “About Time”. E diferentemente do “Efeito borboleta”, voltar no tempo é facim, facim, basta estar sozinho num lugar escuro e cerrar os punhos, bem melhor que resgatar cartas na prisão não?!

E você, o que faria com tal poder? Há quem diga dinheiro, inteligência, amor, ou apenas sempre o emocionante primeiro encontro mais uma vez, tal em “Como se fosse a primeira vez”. Particularmente, já que posso voltar no tempo, eu desejaria tudo hehehe. Mas não é assim nessa história, caso contrário não haveria o filme não é mesmo?

Gostei muito de tudo, atores, roteirista, diálogo, cadência e até do continuísta, que num filme sobre viagem no tempo provavelmente tem um papel fundamental.

…..

Ok, terminei de ver, ahá! Por essa vc não esperava, eu estava vendo o filme ao mesmo tempo em que escrevia rs. Ao final, continuei com a mesma opinião sobre a primeira metade e mais um pouco: tudo REALMENTE muito bom e inesperável. E acabou me lembrando do “The Way”, mas este fica para a próxima.  Para fazer o download indico o thepiratebay.com. Divirta-se!

Trailer do Filme Questão de Tempo

Trilha sonora de About Time

Ben Folds – “The Luckiest” (About Time Version)
Jon Boden, Sam Sweeney & Ben Coleman – “How Long Will I Love You?”
Paul Buchanan – “Mid Air”
Groove Armada – “At the River”
The Cure – “Friday I’m in Love”
Amy Winehouse – “Back to Black”
Ron Sexsmith – “Gold in Them Hills”
Nick Laird-Clowes – “The About Time Theme”
Nick Cave – “Into My Arms”
Jimmy Fontana – “Il Mondo”
Nick Laird-Clowes – “Golborne Road”
The Killers – “Mr. Brightside”
Sugababes – “Push the Button”
t.A.T.u. – “All the Things She Said”
Barbar Gough – “When I Fall in Love”
Sebastien Klinger, Jürgen Kruse – “Spiegel im Spiegel”
Ellie Goulding – “How Long Will I Love You?”

Conflito na Síria: Notícias da Guerra

Estou morando no Vale do Silício (Califórnia, USA) e para melhorar meu inglês tenho assistido a vários vídeos legendados “in english”. Os meus preferidos são documentários, principalmente sobre outras culturas, países ou conflitos modernos. O canal do youtube que mais tem notícias sobre guerras que achei é o VICE, e o vídeo que posto hoje é o documentário mais impressionante sobre a guerra na Síria que vi até agora. Além das legendas em inglês ele também possui várias outras legendas, é só escolher nos ícones na parte inferior do player.

Sempre que assisto a um vídeo que gosto, depois eu faço uma breve pesquisa sobre sua história. A da Síria parece ser milenar, tanto que não houve como a pesquisa ser breve. Por isso, foquei mais nos anos 70 para cá, período que explica um pouco mais o porque dos conflitos na região, basicamente os mesmos de sempre, pelo menos da nossa era: países com governos financiados por interesses estrangeiros que acabam minando os cidadãos.

Síria: documentário em vídeo sobre os conflitos

Obs.: não sei porque a primeira parte e o trailer não estão vindo com a playlist, então depois procurem no youtube 😉

[tubepress mode=”playlist” playlistValue=”81dTzSWzKpPmUmp0pNSssCoemWX_w_Mt”]

Vale do Silício: Empresas e Hostels

Gostaria de começar pedindo desculpas aos leitores pelo tempo em que este blog ficou parado. Se passaram quase 5 anos desde que eu escrevia diariamente. Naquela época eu morava em BH, fazia cursos no centro de treinamento da ADOBE, trabalhava em agências e aprendia sobre bolsa de valores com um dinheirinho que ganhei dando aulas particulares de matemática e física no terraço de casa.

Minha Startup no Silicon Valley

Parei de escrever no blog para dedicar apenas a minha empresa, wpsoft.com.br, na qual você pode alugar diversos sistemas online e customizá-los sem saber programação, apenas clicando e arrastando. Aprendi muito desde então, sobre materiais de marketing, design, programação, pesquisa de mercado, investidores, marketing online e etc. Mas a empresa ainda não está dando dinheiro, pois eu e meu sócio decidimos lançá-la de verdade no mercado apenas quando formos capaz de vender domínios e aceitar cartões brasileiros na navegação de compra. No momento nosso sistema de aluguel funciona apenas com Paypal, o que muitos brasileiros não tem, e para você ter seu dominio-nome-da-empresa.com é preciso que compre em outro lugar e o aponte para nosso servidor, o que demanda conhecimento técnico e impede uma rápida contratação dos nossos serviços, já que ao invés de preencher apenas um fomulário em nosso site o usuário tem de preencher 3 em sites diferentes.

Hacker Hostels na Califórnia

No momento estou morando no Vale do Silício – Califórnia, região famosa por suas várias empresas web e pela cultura empreendedora, aqui até mendigo ou idosos de 80 anos possuem Startups, nomenclatura para empresas nascentes de web. O Vale do Silício é formado por várias cidadezinhas, que na verdade são como bairros de São Francisco, também chamados de Bay Area, ou área da Baía, no caso a de São Francisco.

Estou alugando uma cama num quarto compartilhado em Sunnyvale, na mesma rua em que estão construindo o novo prédio do LinkedIn. Os hostels que possuem áreas de trabalho coletivas, são chamados Hacker Hostels, geralmente eles oferecem monitores, café da manhã, televisão, instrumentos musicais, ao menos uma festa semanal, roupas de cama e banho e internet. Os mais baratos variam de 400 a 1000 dólares para quartos compartilhados, para quartos individuais o preço pode chegar a ser mais de 60 dólares por dia. Mas também existe a opção de alugar apartamentos ou quartos individuais sem ser em Hacker Hostels, o preço também varia de 400 a 600 dólares mensal, mas com um quarto só para você.

Dicas de hostels na califónia, SF e Bay Area

  • https://www.airbnb.com.br/users/show/43806 Perfil do Vic no Airbnb, o cara que tem 9 hacker hostels no vale do silício. É onde indico para ficarem assim que chegarem, pois a possibilidade de conhecer pessoas nas festas que rolam com todos os integrantes é muito grande e a receptividade é realmente um diferencial. Não é muito caro e as casas são excelentes.
  • http://www.san-francisco-hostel.com/ O Hostel mais barato que achei em São Francisco, eles indicam várias coisas pra fazer de graça durante a semana e participam também das olimpíadas de hacker hostel, toda sexta-feira. Além disso, possuem um coworking aberto ao público durante o dia, com aulas gratuitas e impressoras 3D. A vida noturna em São Francisco é infinitamente melhor que nas cidadezinhas. Neste site há alguns comentários em português sobre o lugar: http://www.tripadvisor.com.br/Hotel_Review-g60713-d265426-Reviews-Pacific_Tradewinds_Hostel-San_Francisco_California.html. Página no Facebook: https://www.facebook.com/bestsanfranciscohostel/
  • https://www.facebook.com/embassynetwork Um dos Hacker Hostels maiores e mais luxuosos que vi até agora, tenho frequentado os jantares coletivos de domingo lá. O pessoal é muito gente fina também.
  • Este é um que ainda não conheci, mas que parece ser mais indicado pra quem quer festas e aventuras http://www.greentortoise.com/. Eles também participam das olimpíadas hacker de sexta-feira.

Festa coletiva do Vic`s Hacker Hostel

Eu sou o penúltimo da esquerda para a direita.

Hacker Hostel Vale do Silício
Hacker Hostel Vale do Silício – Vic`s Hacker Hostel

Empresas e Investidores no Vale do Silício

Quanto aos investidores, ninguém vai investir na sua ideia, você tem de ter ao menos um protótipo pronto. Mas o ideal é ter tudo pronto, já funcionando e com usuários. Quanto mais usuários você tiver, mais você pode pedir. Eles investem principalmente através das incubadoras. Até agora as que conheço mais de perto são: http://ycombinator.com/, plugandplaytechcenter.com (P&P) e blackbox.com. A primeira é a mais rica e que investe mais pesado logo de cara, a segunda investe pouco no início, apenas para te conhecer ou nada, pois também há a opção de alugar salas lá e a última parece ser mais ou menos no modelo da P&P, no qual investem mais pesado apenas depois de um tempo com eles.

Várias empresas e investidores ainda não sabem muito bem como lidar com produtos baseados em software livre e muitas vezes proíbem os programadores de abrirem o código no mercado, que as vezes o lançam assim mesmo, como pseudônimos, pois sabem que esta é a melhor maneira de conseguir mais produtividade e qualidade. Ambos são receosos de abrir o código porque tem medo que isto prejudique seu diferencial, mas na verdade o ideal é escolher qual o código é realmente um diferencial, e não proibir a atitude como um todo.

Programadores no Vale do Silício

Apesar dos programadores usarem biblioteca de código aberta, não tenho visto startups baseadas em plataformas abertas, que seria como um código já com interface gráfica que permite que se instale outros códigos nele (plugins), como é o caso do WordPress (WP), o software com que trabalho.

O preconceito contra o PHP, linguagem de programação com que o WP foi desenvolvido, é grande. Alguns programadores criticam projetos em PHP, como se usar Java, Javascript ou C++ no projeto fosse essencial para o sucesso, o que não é verdade, o próprio Facebook foi desenvolvido em PHP. Muitas vezes a insistência e coragem, aliada a bons materiais de marketing, network, baixos custos e pesquisa de mercado fazem toda a diferença. Além disso, não existe nenhuma outra comunidade tão grande no mundo quanto a de desenvolvedores PHP, na qual o WordPress se destaca.

Educação Construtivista e outras: Novos Sistemas Educacionais

Sempre protesto sobre o atual modelo educacional. O acho muito ruim, ele parte do princípio de que somos idiotas a serem transformados em robôs. Quando na verdade somos seres singulares e criativos, que podem crescer e interagir com o que está a nossa volta. Por isso decidi apoiar o projeto da Mariana Tiso, uma estudante do curso de Comunicação da UFV, que vai passar alguns meses coletando dados e vivenciando modelos alternativos de aprendizagem e ensino. Mas para isso, precisa de apoio financeiro, portanto segue abaixo os detalhes sobre o projeto e como ajudar. Desde já agradeço a todos!

Sobre o projeto para melhorar o sistema educacional

Por um novo modelo de Educação!
http://catarse.me/pt/marujapirata
Descrição
Por três meses ficarei no Estaleiro Liberdade, em Porto Alegre (RS) pesquisando novas formas de EDUCAÇÃO e colocando em prática o projeto De Maruja a Pirata. Contanto, para que isso seja possível, preciso do apoio dos amigos e daqueles que concordarem com minha ideia de uma nova forma de aprendizado. Segue abaixo tin tin por tin tin o que é o Estaleiro, como surgiu essa ideia, o que é esse projeto, o que você tem a ver com isso e porque e como me ajudar!

# O ESTALEIRO LIBERDADE

O Estaleiro é a escola para quem quer ser livre, um lugar para, além de sonhar, colocar esses sonhos em prática, baseando-se no empreendedorismo pelo autoconhecimento. O objetivo final é o crescimento pessoal e o desenvolvimento de projetos que gerem valor compartilhado – ou seja, para toda a sociedade.
http://estaleiroliberdade.com.br/
http://fb.com/estaleiroliberdade

# MARUJA MEL: DJPJ, TRUPICAH E RIDÍCULOS

Digo que o De Jovem pra Jovem e a TrupicaH foram marcos na minha vida. Sem eles, com certeza seria bem diferente do que sou agora. Pensar o protagonismo juvenil, a humanização das pessoas, o levar alegria me fez estar cada vez mais perto das crianças e da Educação.Até que resolvi fazer um projeto de extensão: o Palhaço é coisa séria! – que juntava a palhaçaria, educação e cidadania.
Dessa história surgiu o Ridículos, Grupo de Pesquisa em Palhaço (na UFV) que digo com orgulho que fundei. Palhaços são seres especiais, seres iluminados, que querem levar o bem a todos à sua volta. Sonhava, então, com uma Educação diferente – com um E maiúsculo.
Eis então que surge o projeto De Maruja a Pirata!
http://fb.com/dejovemprajovem
http://fb.com/trupicah
http://fb.com/ridicularize

# DE MARUJA A PIRATA

A escola. A taxa de evasão é alta, sabemos que o modelo educacional vigente não funciona como deveria, mas fazer o que? É o único modelo que tem. Só que não!
Já há muito tempo novas práticas pedagógicas vem sendo colocadas em prática em diversas escolas ao redor do mundo – mas não ficamos sabendo que elas existem.
O projeto tem como FINALIDADE a publicação de um livro com a compilação de vertentes, filosofias, pedagogias e práticas de escolas que, além de só valorizar conteúdo tradicional, deem prioridade a formação do indivíduo como ser humano, ciente de seu contexto social.
Uma segunda etapa, seria a implementação de algumas ideias estudadas em escolas que manifestarem o interesse.
+ informações em http://fb.com/demarujaapirata

# PRECISO DE SEU APOIO!

Para que dê certo e isso seja possível, preciso do poder da colaboração. Nada mais justo, uma vez que o projeto visa alcançar toda a sociedade, por que não pedir o apoio dessa mesma sociedade que será beneficiada? Esse apoio é comumente chamado Crowdfunding.

“CROWDFUNDING | Financiamento coletivo/colaborativo: é a obtenção de capital para iniciativas de interesse coletivo através da agregação de múltiplas fontes de financiamento, em geral pessoas físicas interessadas na iniciativa.”

Para tal, optei por utilizar da plataforma Catarse que objetiva financiar projetos que gerem valor compartilhado.
http://catarse.me/

Peço ajuda então, primeiramente aos amigos e familiares. Vocês que me conhecem, que ou já ouviram falar no projeto ou simplesmente me apoiam.
A meta é alta: R$7.000,00 (a prestação de contas se encontra no final da descrição do projeto na página do Catarse), mas o tempo ainda é grande. Mas o Catarse trabalha com a ideia de “tudo ou nada”. Ou consigo a meta, ou o dinheiro é devolvido aos apoiadores – e eu fico sem.

# COMO APOIAR?

NÃO PRECISA SER A SUA CASA OU OS SEUS OLHOS. R$10,00 JÁ ESTÁ ÓTIMO!
Se todo mundo que eu tivesse no Facebook colaborasse com R$10,00 essa meta já teria sido atingida no primeiro dia!

Você pode me apoiar de um jeito muito muito simples.
– Opções:
1. APOIADOR ONLINE
Diretamente pela página do De Maruja a Pirata: http://catarse.me/marujapirata
Você clica no BOTÃO VERDE, ao lado do vídeo “APOIAR ESTE PROJETO”, seleciona a recompensa e a forma de pagamento: débito em conta, boleto bancário ou cartão de crédito.

2. APOIADOR OFFLINE
Você não tem tempo ou disposição para descobrir com oajudar pelo Catarse, então pode contribuir depositando diretamente na minha conta ou então entregando pessoalmente – dinheiro esse que depois será investido no Catarse, para que alcance a meta estipulada.
Banco do Brasil
Agência 0428-6
C/c: 46.811-8

É um pouquinho que você ajuda daqui, um pouquinho que o outro ajuda de lá, e eu consigo realizar esse meu sonho. É algo que significa demais para mim.
Conto com vocês!

– Acesse a página no Catarse e veja o vídeo de divulgação! Escolha sua recompensa! http://catarse.me/marujapirata
– Confirme seu apoio no evento: http://migre.me/dww9Y

A Importância da Internet na Educação, Sociedade e Trabalho

É incrível como o ser humano mesmo possuindo diversas tecnologias que não existiam antes, continua a fazer algumas coisas do mesmo modo que 500 anos atrás. Tudo bem demorar um pouco a aprender como usar as novas ferramentas, mas 500 anos é muita coisa!

A televisão e o vídeo cacete já existem a um bom tempo e mesmo assim as escolas não produzem nem reproduzem vídeo aulas, e praticamente não usam a internet na educação. Será que o governo acredita que num país com 190 milhões de pessoas e milhares de professores, é realmente possível manter um padrão de qualidade? Não, não é. Apesar de todos defenderem a profissão de professor, e concordo que eles deveriam ganhar pelo menos o dobro já que o piso gira em torno de R$ 1200, não é verdade que todos são bons. A maioria das pessoas são incompetentes nas áreas em que atuam e o salário pode ajudar na frustração.

Eu passei em Administração na UFV assistindo o Telecurso 2000 no Youtube. Tudo bem que tive uma boa base, mas com certeza o Telecurso fez a diferença e o considero muito melhor que 80% das aulas que tive na vida. Um curso em vídeo, produzido por diversos profissionais de várias áreas, é claro que tem grandes chances de ser melhor que a aula produzida por apenas uma pessoa. E o que dizer dos maravilhosos documentários que nunca foram nem citados nas escolas? A impressão que dá é que alguns professores creem que sua voz de veludo, impacta muito mais que as produções cinematográficas e as imagens reais da segunda guerra :-/

Internet: Educação-Sociedade
A Internet na Educação e Governo Muda o Mundo

E o que dizer sobre o sistema CAPES para o aumento do salário dos professores baseado na produção de artigos pobres e que ninguém lê? No mínimo ridículo, pois existe uma coisa chamada blog! Através dele é possível rentabilizar o conteúdo postado e promover os aumentos salariais baseados na qualidade do artigo, que poderia ser medida pela audiência e comentários gerados. Isto diminuiria o tempo de trabalho do professor e aumentaria sua escalabilidade de ganhar dinheiro. Eu mesmo comprei um carro com a grana do meu blog, que já não era atualizado a uns três anos e mesmo assim insistia em me render uns 150 dólares por mês.

No momento, lendo minhas ideias compartilhadas aqui, me bate uma angústia de ver como algumas coisas podem ser simples, mas por ignorância de governantes se estendem por séculos. Estes, os principais culpados por tudo, nem discutem a necessidade de uma integração entre os departamentos de governo via software livre. É inacreditável que cada universidade pública tenha uma equipe de umas 50 pessoas para desenvolverem um software proprietário desintegrado de tudo em pleno órgão federal. E o governo ainda tem a audácia de lançar um selo de qualidade para software brasileiro, o MPS.br, sendo que já existe um internacional, o CMMI. E o pior é que alguns engenheiros acham a iniciativa bonita. No mínimo falta a eles estudar história, para saber que atitudes protecionistas da década de oitenta ou mais antigas, em que computadores não podiam ser importados, acabou dando em merda.

Para registar minha empresa pelo modelo de Empreendedor Individual, tido como mais simples que o SIMPLES, precisei ir ao SEBRAE, que não soube dizer qual era a minha atividade econômica no CNAE (Classificação Nacional das Atividades Econômicas). Portanto, de lá fui ao contador contando com a sorte, que não me fez valer o trabalho inicial, apenas me perder num imenso retrabalho retrocesso. Pois o contador também não sabia o que escolher no CNAE, que não possui a profissão de webdesigner ou coisa parecida, mesmo existindo há uns 20 anos e sendo extremamente característica de empreendedores individuais. O resultado foi a necessidade de refazer tudo e, para a minha surpresa, reenviar todos os documentos a cada um dos órgãos envolvidos no processo, até mesmo preencher o nome da minha mãe num documento que já constava meu número de identidade.

As escolas deveriam aumentar o uso da tecnologia na educação, se integrar mais ao mercado, desenvolverem produtos multimídia e serem patrocinadas pela audiência gerada em trabalhos escolares postados no blog, o qual os professores teriam porcentagens. O governo, deveria ter apenas um núcleo de desenvolvimento baseado em softwares livres, abertos à reutilização de quem quisesse. Os impostos e vagas públicas poderiam ser compartilhadas automaticamente no Facebook, através de um aplicativo de simples desenvolvimento. E os políticos deveriam fazer mais marketing político na internet, o que baratearia suas campanhas e evitaria a “necessidade” de corrupções posteriores. Enquanto isto não acontece, vou ficando na minha, desenvolvendo de mansinho estes conceitos e os incrustando em minha empresa web e produtos.

Os problemas do sistema educacional no Brasil e no mundo

Vídeo que fiz sobre minha opinião sobre os principais problemas da educação no Brasil e do sistema educacional como um todo.

Documentário sobre a História da Internet – Discovery

[tubepress mode=”playlist” playlistValue=”CzlU9INKZhuFzX2LoM-Fdj3bkZbr08B0″]

E vocês? Em que acham que a internet poderia ser usada para melhorar as instituições do governo e da sociedade? Por favor comentem! Obrigado.

Cursos de Internet e Empresas Web Startups: Mercado

Gostaria de falar um pouco sobre como comecei a empreender na web. Quando estava no terceiro ano, em 2005, praticamente não se falava em cursos tecnólogos, só fui saber que existia isto um tempo depois. São cursos altamente práticos, voltados ao mercado, e de rápida duração, geralmente no máximo dois anos e meio.

Sempre me perguntam porque não fiz ciência da computação, no entanto os cursos que tem mais a ver com web são os tecnólogos. Sei que existem três, o de Desenvolvimento Web, Redes e Produção Multimídia. Apesar de terem mais a ver com internet que o de Ciência da Computação ou Sistema de Informação, eles assim como todos também não estudam nada sobre software livre e ainda que práticos, não chegam nem perto de satisfazerem as necessidades do mercado web. Não é segredo para ninguém que já trabalha a mais tempo, que os cursos superiores estão em sua grande maioria muito defasados e algumas profissões, por irresponsabilidade do governo, como a de professor por exemplo, representam um risco muito grande de passar apertos financeiros.

Mercado web: muitas dificuldades mas promissor
Mercado web: muitas dificuldades mas promissor

Quando me formei no segundo grau e ainda hoje, meu desejo sempre foi trabalhar com vídeo. Por isso prestei vestibular para Áudio Visual na USP, mas na segunda etapa rolou uma prova específica sobre cinema, que nem sabia direito que existia, então não fui aprovado. Também havia prestado vestibular para comunicação e jornalismo na UFJF, mas como passei caneta na prova de física apenas nas respostas acabei zerando e sendo reprovado. Morei mais um tempo em Juiz de Fora fazendo cursinho no CAVE do calçadão, mas decidi entrar logo no meio do ano na UNILESTE-MG, uma particular da minha região que disponibilizava o curso de Publicidade e Propaganda, que diziam ter mais a ver com web.

Na minha primeira tentativa de graduação, até tive umas aulinhas sobre Photoshop, mas bem fraquinhas, então fiz alguns cursos  de Internet na Microlins, que foi a minha base. Nesta mesma época comecei a dar aulas particulares, no início de todas as matérias, depois só de matemática e física. Após um tempo, decepcionado com a graduação e sem maiores perspectivas como professor particular, descobri o curso tecnólogo de Produção Multimídia na UNI-BH. Mudei para Belo Horizonte com um carro antigo, um Puma de 82, que havia comprado com a grana das aulinhas e um empréstimo do meu pai, convencido pela minha mãe a me emprestar para que eu não acabasse comprando uma moto e sofrendo um acidente… Com um mês em BH consegui vender o carro. Com a grana entrei na Bolsa de Valores, ficava na corretora toda a manhã estuando o mercado, comprava EXAME e Você/SA sempre. Junto a empreitada como acionista, comecei alguns cursos no centro de treinamento da ADOBE, um estágio à tarde na Linke-se.com, agência web especializada em sites Flash para o mercado de festivais de cinema, e a noite ia para a faculdade. Não demorou muito para eu me convencer de que aprendia muito mais no estágio e nos cursos da ADOBE que na graduação, e que era muito trabalhoso ficar atravessando o centro de BH todo horário de rush, por isso acabei largando mais uma graduação.

Após sair da faculdade fiquei apenas no estágio, nos cursos da ADOBE e na bolsa de valores. Então tudo mudou novamente, a Linke-se.com se fundiu à Aliás, uma grande agência de publicidade em BH e eu fui junto. Lá trabalhávamos com sistemas proprietários desenvolvidos em PHP, nada de sites em Flash desenvolvidos em Action Script integrados a um banco de dados com a linguagem de programação ASP da Microsoft, concorrente da linguagem livre PHP. Nesta época a crise imobiliária dos EUA estourou e uns corretores haviam me passado pra trás, me convencendo a fazer um mal investimento, para eles ganharem uma mixaria de comissão, o resultado foi que os 7 mil com que entrei na bolsa depois que vendi o carro, após virarem 13 mil antes de seis meses acabaram se reduzindo para 11 mil em duas semanas, foi então que vendi todas as ações, fiz cirurgia de miopia e comprei um terreno em Canaã dos Carajás no Pará, o que sobrou foi uns dois e alguma coisa, que devolvi pro meu pai. Mas a cirurgia não deu muito certo e uso óculos ainda hoje, acho que o médico me passou pra trás também. Depois procurei saber e parece que não é correto fazer correção aos 19, 20 anos.

Depois que saí da Bolsa de Valores e já estar de saco cheio de morar na cidade grande, também saí da Aliás e fiquei apenas na ADOBE e estudando por conta própria o tal do software livre e como ganhar dinheiro e audiência na web, estava convencido de que este era o futuro. E realmente sites em Flash hoje em dia são apenas para alguns mercados e sites desenvolvidos com plataformas proprietárias estão diminuindo cada vez mais, minha aposta é que mesmo sistemas mais robustos passarão a ser desenvolvidos em softwares livres também, por isso já disponibilizo plataformas de educação à distância e e-commerce em WordPress pela minha empresa, a Cultura Livre.

Quando terminei 15 cursos no centro ADOBE, o que me custou quase uns 10 mil reais, sem contar as despesas para me manter em BH, passei no vestibular de Administração na UFV e vim todo contente. Aqui já trabalhei na Studium, agência de publicidade líder na região e no CPT, líder nacional no ramo de vídeo aulas, empresa na qual tive a certeza do quão bom eu sou em audiência on-line e Adwords, o sistema de publicidade on-line automatizada da Google. Registrei minha empresa pela nova lei do empreendedor individual e atualmente faço graduação e dou suporte a alguns clientes.

Fiquem ligados nos próximos textos, me aprofundarei mais sobre os problemas corporativos, as dificuldades de se abrir uma empresa junto às surpresas do mercado, compartilharei alguns conhecimentos técnicos mais detalhadamente e o porque se deve optar por um software livre ao se desenvolver alguns sistemas.

Vídeo sobre a História da Internet

Vídeo sobre o conflito de gerações antes e pós web

E vocês? O que tem a dizer sobre o início da vida profissional? Por favor compartilhem conosco nos comentários.

Como Ganhar Dinheiro na Internet: Adsense e Adwords

Olá Leitores,

gostaria de me desculpas por ter ficado tanto tempo sem escrever no blog e esclarecer os motivos. A responsabilidade de ter mais de cem assinantes por e-mail começou a pesar na consciência de postar bobagens. No entanto, o blog é meu e decidi continuá-las rs.

Hoje tenho as categorias Bolsa de Valores, Dinheiro na Internet, Ensino Médio, Ensino Superior, Filmes, Humor, Lazer, Música, Política, Produção Multimídia e WordPress. Estou pensando em abrir a categoria institucional, que será quase um sobre mim e indicará as diretrizes do blog. Vou procurar sempre escrever artigos que sejam do interesse de todos, mesmo os mais técnicos, os quais indico que leiam, pois acho que nos dias de hoje todos devem saber como abrir um blog.

Foi com meu blog que consegui dar algumas entrevistas, arrumar alguns trabalhos e até a comprar um carro agora. Isto mesmo, comprei um Uno 96 por 7.500, seis mil reais foi só grana de blog, e olha que tem mais de 3 anos que praticamente não escrevia nada e considero apenas alguns posts de real qualidade. A maioria, confesso que foi para ganhar conhecimento próprio, audiência e dinheiro da Google mesmo. O que continuarei a fazer, por isso peço para relevarem se de vez em quando receberem alguns artigos meio sem nexo, será o preço por todo o resto.

Se ficaram com água na boca e querem ganhar dinheiro com blog continuem sendo leitores que neste e nos próximos posts irei ensinando. A Google não possui apenas o buscador e o falecido Orkut. Além de vários outros programas, ela também é dona do Adsense e do Adwords, que na verdade são complementares, duas pontas de um mesmo mercado.

O que é, como funciona e como ganhar dinheiro com Google Adsense

O Adsense serve aos blogueiros que querem ganhar dinheiro na internet. Para isto, deve-se fazer inscrição na google.com/adsense, pegar um código que irão disponibilizar e inserir em alguns lugares estratégicos do seu design, este código irá reconhecer palavras-chave contidas no texto e trará propagandas contextuais, quem escrever sobre lugares turísticos ganhará propagandas de hotéis por exemplo.

Você receberá por clique, eu ganho uma média de 10 cents de dólar. Quando inteirar 100 dólares poderá receber o dinheiro da Google, mas terá de pagar aos bancos 15 dólares pela conversão, por isto indico juntar mais para pagar uma vez apenas. Quanto mais audiência tiver mais gostará de blogar e mais procurará a entender sobre a área. Para isto indico as categorias Dinheiro na Internet e WordPress, nas quais também falo sobre SEO (Search Engine Marketing – Otimização para Sistemas de Busca). Através de técnicas de escrita, desenvolvimento de site e inserção de palavras-chave em títulos, URLs, negrito ou itálico é possível aumentar as suas chances de alcançar melhores posicionamentos no buscador da Google. No entanto, é preciso utilizá-las sem deixar que afetem a qualidade do conteúdo. Na tradução do texto técnicas de SEO da maior consultora de SEO do mundo, a SEOMoz, há algumas diretrizes que podem ser praticadas por qualquer um para aumentar a audiência do seu blog.

Como configurar o Google Adsense no blog

O que é, como funciona e como anunciar no Google Adwords

O Adwords serve aos anunciantes que querem aumentar audiência do site e consequentemente a venda dos produtos. A Google disponibiliza duas frentes para se investir: o Adwords Pesquisa e o Adwords Display, também chamado de rede de conteúdo. O Adwords Pesquisa serve para aparecer no buscador sempre que alguém digitar determinada palavra-chave, o pagamento também é por clique, só que em reais. Quanto maior sua taxa de cliques, mais barato o será, pois a Google prefere cobrar alguns centavos por um anúncio muito clicado do que 1 real por um de baixa qualidade. Quanto ao Adwords Display, é onde se investe para aparecer em todos os blogs cadastrados no Adsense ou em sistemas da Google. O pagamento também é por cliques, mas há outras modalidades. Para se investir no Adwords é preciso experiência e muito conhecimento técnico, por isso não indico começarem carreira solo, é preciso aprender com alguem que já sabe e através de muito estudo, se não irão rasgar dinheiro.

Como funciona o Adwords Pesquisa

Como Funciona o Adwords Display

Empresa Cultura Livre – Sistemas e MKT On-line

Outro motivo do meu sumiço foi o trabalho intenso para abrir minha empresa, a qual dei o nome de Cultura Livre, pois ofereço sistemas desenvolvidos em software livre e serviços de marketing on-line através principalmente das ferramentas da Google. Caso queiram abrir um blog e receberem suporte de SEO e Adsense, cobro R$ 30,00 por mês. Caso desejem desenvolver um site para a empresa e investir no Adwords ofereço neste ano de 2013 um pacote de R$ 150,00 mensais para desenvolvimento e manutenção do site e um gerenciamento de até R$ 2.000,00 mensais na Google. Mas indico começarem com uns R$ 150,00 apenas e irem aumentando quando os resultados aparecerem. Este valor já dá uma média de 400 a 500 visitas a mais para seu site por mês.

Sistemas em WP e MKT On-line
Sistemas em WP e MKT On-line

Como escolher quem gerencia sua campanha no Adwords

Apesar de não possuir o certificado de que já gerenciei altos valores no Adwords, posso comprovar isto através de alguns documentos. Quem tiver interesse em vê-los é só me contactar.

http://www.youtube.com/watch?v=YC-Q1f-38Fg

Como perceber se está sendo enganado pelo seu gestor do Adwords

Tsunamis e Terremotos no Japão: Motivos e Notícias

Motivos do Terremoto e da Tsunami no Japão

As causas e motivos mais comuns de terremotos e tsunamis no Japão são as colisões entre as placas tectônicas, sejam elas continentais ou oceânicas, sendo os choques entre placas tectônicas oceânicas, as que provocam maremotos ou tsunamis no Japão.

Porque a escala Richter é também chamada de Escala Aberta de Richter

A escala Richter vai de 1 a 9 porque os terremotos mais fortes já registratos foram no valor 9. Mas não existe limite a esta medida, por isso, fala-se em “escala aberta” de Richter.

Desmoronamentos Internos e os Terremotos no Brasil

Há outras causas e motivos que provocam terremotos, recentemente no Brasil, houve um terremoto que a causa foi uma área geologicamente instável, ou seja, não são apenas os choques entre as placas tectônicas que causam terremotos.

Nos terrenos sedimentares pode haver um ajuste de terra nas camadas mais profundas e provocar um abalo sísmico. Mas, este terremoto causado por abalo sísmico em terrenos sedimentares instáveis, na escala Richter, provavelmente será de baixa amplitude. Esses abalos sísmicos são conhecidos por “desmoronamentos internos”.

Últimas Notícias sobre os Terremotos e Tsunamis no Japão

[tubepress mode=”tag” tagValue='”tsunami japão” -japan’]

Japão: Tsunami e Terremoto causam destruição

Gostaria de disponibilizar este vídeo sobre a tsunami que atingiu a costa japonesa e destruiu várias cidades, para que as pessoas que não acompanharam as primeiras notícias sobre o desastres fiquem a par do que está acontecendo.

Temos fome, pobreza, falta de infra-estrutura e uma legião de jovens sem muito futuro em nosso país, tudo por causa de políticos corruptos. Ao mesmo tempo em que temos que rezar por nossos irmãos atingidos pela tsunami no japão, vale agradecer também por não existir este tipo de coisa por aqui. Mas o que causa mais mortes? Os terremotos ou os corruptos? Que venham os terremotos!

http://www.youtube.com/watch?v=vo_adRbNXmk

Conflito entre Judeus e Palestinos, o nascimento de Israel

É com prazer que disponibilizo mais um documentário sobre os conflitos palestinos e ataques terroristas em Israel e Oriente Médio. Este documentário, que pretende ser mais uma vídeo aula de história, assim como o “Occupation 101” e o “Um Lugar Chamado Palestina”, da TV Escola, procuram retratar os fatos a respeito da Questão Palestina com imparcialidade.

Como os outros documentários sobre a Palestina, ele se refere à traição Inglesa contra Judeus, Árabes e Russos como sendo uma das maiores causas dos conflitos entre Palestinos e Israelenses. Também fala sobre o veredito da ONU de criar um Estado Israelense, como sendo uma decisão errada, tomada por pressão dos EUA. Conta a história do povo Judeu na região, desde seus primeiros habitantes aos imigrantes da segunda guerra mundial, que chegavam fugidos da perseguição nazista e sobreviventes do holocausto. Além disso, também retrata o tratado de Camp David como sendo uma traição do Egito ao povo árabe, e explica os motivos desta traição a luz da guerra fria, em que o oriente médio era considerado ponto estratégico de influência capitalista, não só pelo petróleo, mas também pela seu posicionamento geográfico.

[tubepress mode=”playlist” playlistValue=”7F062807566E5D9B”]