Educação Construtivista e outras: Novos Sistemas Educacionais

Sempre protesto sobre o atual modelo educacional. O acho muito ruim, ele parte do princípio de que somos idiotas a serem transformados em robôs. Quando na verdade somos seres singulares e criativos, que podem crescer e interagir com o que está a nossa volta. Por isso decidi apoiar o projeto da Mariana Tiso, uma estudante do curso de Comunicação da UFV, que vai passar alguns meses coletando dados e vivenciando modelos alternativos de aprendizagem e ensino. Mas para isso, precisa de apoio financeiro, portanto segue abaixo os detalhes sobre o projeto e como ajudar. Desde já agradeço a todos!

Sobre o projeto para melhorar o sistema educacional

Por um novo modelo de Educação!
http://catarse.me/pt/marujapirata
Descrição
Por três meses ficarei no Estaleiro Liberdade, em Porto Alegre (RS) pesquisando novas formas de EDUCAÇÃO e colocando em prática o projeto De Maruja a Pirata. Contanto, para que isso seja possível, preciso do apoio dos amigos e daqueles que concordarem com minha ideia de uma nova forma de aprendizado. Segue abaixo tin tin por tin tin o que é o Estaleiro, como surgiu essa ideia, o que é esse projeto, o que você tem a ver com isso e porque e como me ajudar!

# O ESTALEIRO LIBERDADE

O Estaleiro é a escola para quem quer ser livre, um lugar para, além de sonhar, colocar esses sonhos em prática, baseando-se no empreendedorismo pelo autoconhecimento. O objetivo final é o crescimento pessoal e o desenvolvimento de projetos que gerem valor compartilhado – ou seja, para toda a sociedade.
http://estaleiroliberdade.com.br/
http://fb.com/estaleiroliberdade

# MARUJA MEL: DJPJ, TRUPICAH E RIDÍCULOS

Digo que o De Jovem pra Jovem e a TrupicaH foram marcos na minha vida. Sem eles, com certeza seria bem diferente do que sou agora. Pensar o protagonismo juvenil, a humanização das pessoas, o levar alegria me fez estar cada vez mais perto das crianças e da Educação.Até que resolvi fazer um projeto de extensão: o Palhaço é coisa séria! – que juntava a palhaçaria, educação e cidadania.
Dessa história surgiu o Ridículos, Grupo de Pesquisa em Palhaço (na UFV) que digo com orgulho que fundei. Palhaços são seres especiais, seres iluminados, que querem levar o bem a todos à sua volta. Sonhava, então, com uma Educação diferente – com um E maiúsculo.
Eis então que surge o projeto De Maruja a Pirata!
http://fb.com/dejovemprajovem
http://fb.com/trupicah
http://fb.com/ridicularize

# DE MARUJA A PIRATA

A escola. A taxa de evasão é alta, sabemos que o modelo educacional vigente não funciona como deveria, mas fazer o que? É o único modelo que tem. Só que não!
Já há muito tempo novas práticas pedagógicas vem sendo colocadas em prática em diversas escolas ao redor do mundo – mas não ficamos sabendo que elas existem.
O projeto tem como FINALIDADE a publicação de um livro com a compilação de vertentes, filosofias, pedagogias e práticas de escolas que, além de só valorizar conteúdo tradicional, deem prioridade a formação do indivíduo como ser humano, ciente de seu contexto social.
Uma segunda etapa, seria a implementação de algumas ideias estudadas em escolas que manifestarem o interesse.
+ informações em http://fb.com/demarujaapirata

# PRECISO DE SEU APOIO!

Para que dê certo e isso seja possível, preciso do poder da colaboração. Nada mais justo, uma vez que o projeto visa alcançar toda a sociedade, por que não pedir o apoio dessa mesma sociedade que será beneficiada? Esse apoio é comumente chamado Crowdfunding.

“CROWDFUNDING | Financiamento coletivo/colaborativo: é a obtenção de capital para iniciativas de interesse coletivo através da agregação de múltiplas fontes de financiamento, em geral pessoas físicas interessadas na iniciativa.”

Para tal, optei por utilizar da plataforma Catarse que objetiva financiar projetos que gerem valor compartilhado.
http://catarse.me/

Peço ajuda então, primeiramente aos amigos e familiares. Vocês que me conhecem, que ou já ouviram falar no projeto ou simplesmente me apoiam.
A meta é alta: R$7.000,00 (a prestação de contas se encontra no final da descrição do projeto na página do Catarse), mas o tempo ainda é grande. Mas o Catarse trabalha com a ideia de “tudo ou nada”. Ou consigo a meta, ou o dinheiro é devolvido aos apoiadores – e eu fico sem.

# COMO APOIAR?

NÃO PRECISA SER A SUA CASA OU OS SEUS OLHOS. R$10,00 JÁ ESTÁ ÓTIMO!
Se todo mundo que eu tivesse no Facebook colaborasse com R$10,00 essa meta já teria sido atingida no primeiro dia!

Você pode me apoiar de um jeito muito muito simples.
– Opções:
1. APOIADOR ONLINE
Diretamente pela página do De Maruja a Pirata: http://catarse.me/marujapirata
Você clica no BOTÃO VERDE, ao lado do vídeo “APOIAR ESTE PROJETO”, seleciona a recompensa e a forma de pagamento: débito em conta, boleto bancário ou cartão de crédito.

2. APOIADOR OFFLINE
Você não tem tempo ou disposição para descobrir com oajudar pelo Catarse, então pode contribuir depositando diretamente na minha conta ou então entregando pessoalmente – dinheiro esse que depois será investido no Catarse, para que alcance a meta estipulada.
Banco do Brasil
Agência 0428-6
C/c: 46.811-8

É um pouquinho que você ajuda daqui, um pouquinho que o outro ajuda de lá, e eu consigo realizar esse meu sonho. É algo que significa demais para mim.
Conto com vocês!

– Acesse a página no Catarse e veja o vídeo de divulgação! Escolha sua recompensa! http://catarse.me/marujapirata
– Confirme seu apoio no evento: http://migre.me/dww9Y

Saber Direito – O conhecimento jurídico em vídeo aulas

Estátua da justiça
Estátua da justiça

Um programa de televisão voltado para a extensão e aprofundamento dos conhecimentos jurídicos de universitários da graduação de cursos de Direito. Aqui você acompanha os cursos de direito constitucional, penal, do trabalho e de várias outras áreas. O objetivo é apresentar diversos conteúdos jurídicos e promover discussões de forma didática e acessível. O cenário tem a estrutura de uma sala de aula para possibilitar a integração entre aluno e professor.

[tubepress mode=”user” userValue=”saberdireito”]

http://www.youtube.com/user/saberdireito

http://www.youtube.com/user/provafinal

Pensamento administrativo na Era da Informação – após 1990

A informação em Creative Commons
A informação em Creative Commons

Características da época, segundo o acadêmico Chiavenato

  • Tecnologia da informação (TI)
  • Serviços
  • Aceleração da mudança
  • Imprevisibilidade
  • Instabilidade e incerteza

Onde os estudos acadêmicos se concentram, segundo o acadêmico Chiavenato

  • Ênfase na produtividade
  • Qualidade
  • Competitividade
  • Cliente
  • Globalização

A era da informação é cada vez mais rápida, dinâmica e imprevisível. Seus principais ganhos advêm de serviços. Mesmo o software, principal representante desta época, e que é um produto, é trabalhado pelos seus destribuidores para ser visto pelos clientes como um serviço oferecido. Exemplo disto é o modelo de negócios dos grandes fabricantes de programas para computador, eles preferem fazer contratos mensais ou anuais, do que simplesmente receber uma grande quantia pelo produto. E a cada dia este modelo de negócio é o que mais se destaca na internet, a principal representante do mundo globalizado e cada vez mais veloz.

Os principais modelos de negócios da Web, segundo o site “Inovação e negócios na era da internet” são:

  1. Freemium
    Modelo que possibilita o usuário utilizar o serviço de maneira gratuita com certas restrições e oferece uma versão paga com mais funcionalidades.
    Dificuldades: a maior dificuldade do modelo é encontrar o equilíbrio entre as funcionalidades da versão gratuita e da versão paga. O usuário deve ser incentivado a utilizar a versão gratuita, que deve conter um mínimo para oferecer uma boa experiência, mas nem tanto para que nunca se utilize a conta paga.
    Outra possibilidade é oferecer um conta trial, que possibilita o usuário utilizar todas as funcionalidades por um tempo limitado. Porém deve-se pensar que o tempo limitado oferecido não contempla todo o uso pelo usuário, senão ele irá criar várias contas e ficar sempre testando ou ficará mudando de serviço.

    Exemplos: Flickr, UserVoice

  2. Afiliados
    Modelo em que vários sites menores agregam valor a sites maiores, seja trazendo mais visitações ou valor financeiro, a partir de venda de produtos ou serviços.
    Dificuldades: construir uma plataforma que seja facilmente acessível aos sites menores para que eles possam divulgar os seus produtos ou serviços, além da plataforma se adaptar de acordo com o site que anuncia, para que não sejam feitos anúncios irrelevantes.

    Exemplos: Buscape, Americanas, Submarino, AdSense

  3. Assinatura
    Sites que o usuário paga uma taxa mensal, semestral ou anual por um serviço.
    Dificuldades: Criar um serviço ou produto de grande valor agregado e que seja possível fidelizar os clientes. Existe a necessidade de agregar um grande valor pois os pagamentos serão feitos poucas vezes, logo deve ser cobrado um valor razoável para cobrir as despesas. Outro ponto dos pagamentos prolongado é que a rotatividade dos clientes não é boa, portanto sendo o serviço de grande valor agregado certamente os clientes serão fidelizados.
    A Netflix consegue fazer isso por agregar valor de possuir um enorme acervo de filmes que faz com que o cliente não precise mais se deslocar até as locadoras, além de outros serviços agregados como recomendações de filmes.

    Exemplo: Netflix

  4. Mercadorias Virtuais
    Modelo já consagrado entre os jogadores que utilizam a Internet, o usuário irá comprar propriedades virtuais, como itens exclusivos ou presentes virtuais. Isso já começa a acontecer em redes sociais.
    Dificuldades: criar maneiras de incentivar com que as pessoas comprem os itens. Normalmente os sites colocam itens exclusivos que tragam alguma forma de status para os usuários que possuem o item. Por outro lado, se você não tiver um serviço no geral atrativo, que possua uma boa quantidade de usuários, não haverá necessidade de comprar o item virtual.

    Exemplos: Facebook, Jogos na Internet em geral

  5. Publicidade
    Modelo que já possui um grande tempo na web, os famosos banners e anúncios em geral são conhecidos por parte da maioria dos internautas. O modelo está em decadência, como mostram as pesquisas, apesar de ser um dos modelos mais simples de se utilizar para quem está começando na web.
    Dificuldades: conseguir mostrar anúncios relevantes para os usuários, de forma com que eles cliquem nos anúncios. Outro ponto importante é a quantidade de usuários que acessam o site, como os anunciantes normalmente pagam um valor baixo por clique ou mil impressões do banner, é necessária uma grande quantidade de usuários que visitem para trazer algum retorno.
    Exemplos: BlogBlogs, Dihitt, Alguns blogs

Casos como o do Youtube e Twitter, no qual os sites atraem muitos usuários mas não conseguem obter retorno diretamente com o serviço são famosos. Passamos por uma fase que facilmente se constroem aplicativos e serviços que são oferecidos “gratuitamente” para os usuários, como ocorre na maioria dos serviços do Google. Competir com tais empresa não é uma tarefa fácil, muitas vezes é necessário “jogar a isca” para pescar os usuários e depois fisgar de uma maneira indireta ou oferecendo serviços de uma qualidade superior que faça com que o usuário perceba o seu valor.

Outra característica da Era da Informação é a quebra de vários tabus e tradições da sociedade moderna. O maior representante da oposição aos velhos conceitos do mundo capitalista, é o registro em Creative Commons. Criado nos EUA por um grupo de pessoas preocupados em tornar o conteúdo feito por elas o máximo compartilhável possível, ele nasce ao mesmo tempo como um opositor e um complemento do Copy Right. Os defensores do CC, dizem que qualquer ideia que pode vir a ser um produto não é criado do nada, foi trabalhado a partir de várias outras ideias provenientes do próprio ambiente. Por isto, não tem sentido que o direito autoral de qualquer coisa, fique nas mãos de uma só pessoa ou empresa durante tanto tempo, como ocorre em alguns casos do antigo modelo, em que os direitos autorais chegam a pertencer a apenas um indivíduo quase um século.

O Creative Commos tem sido adotado por muitos artistas e escritores famosos, pela facilidade que é de registrar uma música ou livro nestes termos (basta apenas dizer que é), e também pela visibilidade que traz qualquer arte que for registrada assim. Os softwares Livres já nasceram assim, e agora tem-se visto algumas empresas como a Fiat que chegam a lançar carros sem nenhhum segredo industrial. A tendência é que a liberdade da informação sobre como qualquer coisa é feita se torne maior a cada dia.

Modelos de registro em Creative Commons:

  • Permissão para fazer o que quiser com o produto (até mesmo modificá-lo), até mesmo revender ou ganhar dinheiro com ele de outra forma
  • Permissão para fazer o que quiser com o produto (até mesmo modificá-lo), e tentar ganhar dinheiro com ele de alguma forma desde que dê os devidos créditos a quem ajudou fazê-lo
  • Permissão de modificar o conteúdo, desde que se dê os devidos créditos, mas sem permissão de revenda
  • Sem permissão de cópia ou revenda, seria um registro fechado quase igual ao Copy Right

O Copy Right, nos dias atuais, é visto por muitos como um entrave ao desenvolvimento econômico e social que a rede mundial de computadores pode oferecer. Pois ele limita a destribuição de conteúdo (colocando os direitos autorais nas mãos de uma só pessoa) que é justamente o que a Web tem de melhor a nos oferecer.

httpv://www.youtube.com/watch?v=izSOrOmxRgE

Pensamento administrativo na Era Industrial Neoclássica – 1950/1990

Era Industrial Neoclássica
Tio San ganha dinheiro com a reconstrução da Europa no pós segunda guerra mundial

Características da época, segundo o acadêmico Chiavenato

  • Desenvolvimento industrial
  • Aumento da mudança
  • Fim da previsibilidade
  • Inovação

Estudos acadêmicos da época, segundo o acadêmico Chiavenato

  • Teoria neoclássica, ênfase na estrutura – Peter Drucker e Harold Koonz
    httpv://www.youtube.com/watch?v=h7fzp-BedOA
  • Teoria estruturalista, ênfase na estrutura – A. Etzioni e Richard Hall
    httpv://www.youtube.com/watch?v=hdNXNsifjsE
  • Teoria comportamental, ênfase nas pessoas – Hebert Simon e D. McGregor
  • Teoria de sistemas, ênfase no ambiente e tecnologia – F. E. Kast e A. K. Rice
  • Teoria da contingência, ênfase do ambiente e tecnologia – P. R. Lawrence e Jay W, Lorsch

Basicamente, percebe-se quase as mesmas inquietações da era industrial clássica, porém a burocracia agora, entenda-se organização, tem um ambiente de trabalho mais bem estruturado pelos pensadores e administradores anteriores, além de ter na tecnologia, seu principal aliado para um novo desenvolvimento industrial, baseado em experiências anteriores.

Os avanços tecnológicos aliados aos investimentos pós guerra, dão uma nova cara às teorias administrativas. Com a população mundial indignada com horrores da guerra o ser humano ganha um lugar de destaque até mesmo dentre as teorias estruturalistas, que se opõe a às teorias clássicas que viam o ser humano quase como uma máquina. Além disso, a sociedade passou a ser vista no contexto da empresa, tudo que rege os empregados agora é levado em conta, se um empregado está mal pessoalmente, agora é uma preocupação da empresa, até mesmo em termos produtivos. Por isto, a maioria das empresas agora, passam a ter um novo setor, o de recursos humanos, que se incumbe de contratar e preservar seu principal ativo: os próprios trabalhadores.

Apesar dos funcionários passarem a ser vistos com outros olhos a preocupação deles saberem lidar com as novas tecnologias da época é evidente, por isto, é o saber tecnológico que define quem deve ser contratado ou não. E assim tem continuidade a principal característica global, e que define a escência humana: estar em constante aperfeiçoamento.

Pensamento administrativo na Era Industrial Clássica – 1900/1950

Era industrial clássica
Charlie Chaplin em cena do filme "Tempos Modernos"

Características da época, segundo o acadêmico Chiavenato

  • Início da industralização
  • Estabilidade
  • Pouca mudança
  • Previsibilidade
  • Estabilidade e certeza

Estudos acadêmicos da época, segundo o acadêmico Chiavenato

Algumas pessoas defendem mais uns teóricos do que outros, porém isto é um equívoco. Analisando a cronologia dos acontecimentos e refletindo sobre as informações acima, percebe-se nitidamente que as ideias se interligam e que não existiriam uma sem a outra, elas se complementam.

Nenhum teórico é mais certo ou mais errado que outro, todos contribuem de alguma forma para o melhor entendimento da Administração. Alguns cometem alguns equívocos nítidos, isto é certo, porém ao analisar o contexto histórico em que estes equívocos foram cometidos eles acabam se tornando compreensíveis.

Veja Taylor por exemplo, foi chamado de aproveitador e explorador pelas massas de trabalhadores da época. Hoje em dia, algumas de suas ideias seriam impensáveis, pois ele via o homem quase como uma máquina, e atualmente sabe-se que o ser humano é o maior ativo da empresa. Mas talvez, sem suas teses para contrastar com a realidade quase escravocata de alguns trabalhadores de 1900, as ideias humanísticas de Elton Mayo e Kurt Lewin não teriam feito tanto sucesso ou sequer teriam nascido.

Já tendo tido contado tanto com as ideias estruturalistas, quanto com a das relações humanas, Max Weber publica suas teses sobre Organização Burocrática em 1947, já com um cenário de maior entendimento entre chefes e empregados. Suas ideias fizeram tanto sucesso, que até hoje é visto como um dos pais da Sociologia moderna e um grande contribuinte do pensamento administrativo.