A Viagem de um mineiro de Ipatinga para o Campus Party Brasil, em São Paulo

À medida que as filas vão surgindo, as pessoas branqueando e os caixas cada vez mais parecidos com robôs ultra rápidos, São Paulo se aproxima. Quando  topo com um branquelo com uma veia verde na testa numa fila; vualá, cheguei a São Paulo!

A viagem de 12 horas se passa num ambiente cheirando a frango. As pessoas, em geral, das roças do Vale do Aço, vão visitar um filho(a) que está tentando a sorte na cidade grande.

clima da viagem se fez quando uma mulher perguntou à minha irmã como fechar a saída do ar condicionado, ao que ela respondeu que era só passar a mão, mas em vez de passar a mão para fechar as frestas, achou que havia uma espécie de sensor e só deu tchauzinho pro regulador! Depois, às 6 da manhã, a mesma, acorda a todos, gritando: “Carol, cê conseguiu durmi Carol? Cê tá durmino Carol? Cê tá acordada Carol?” Que vontade de pegar esta Carol e… o que me conrolou foi a velha ser igualzinha às minhocas do MIB…

Ao término da viagem peguei dois metrôs para chegar à estação Vila Madalena, onde minha tia, que mora no Alto de Pinheiros, me buscou de carro. Após ter beliscado algumas coisinhas no apartamento dela, fomos à Santa Efigência dar uma voltinha nas lojas de equipamentos tecnológicos que tem por lá. Eu queria descolar um gravador que grava direto em MP3 e uma câmera que já grava em FLV e que fosse integrada com a internet. O gravador eu achei logo, da Panasonic, que tinha tradutor automático para umas seis línguas, além de zoom sonoro. O cara da loja me disse que “era coisa profissional, para detetives e jornalistas”. Mas decidi voltar depois para procurar melhores preços e conhecer outros gravadores do tipo. Já a filmadora, além de não ter encontrado, a maioria das pessoas me olhavam como se eu fosse um ET, com uma cara tipo: “que merda é essa de FLV“.

Depois, minha tia me levou a um  restaurante de comida Árabe. Comi uma salada com molho Rosê, maravilhosa. Um Michui e descobri o que é Babaganuchi. Em seguida demos uma volta no bairro, que a tia disse ser o metro quadrado mais caro de São Paulo. E ainda por cima fiquei sabendo um pouco mais sobre a história da famosa rua Augusta. Por fim, tirei o atraso da noite mal dormida no busão e me preparei pra pizzaria à noite.

Passamos em três pizzarias. Na primeira, o tempo de espera era de 50 minutos, na segunda 25 e na terceira 20, mas até chegar a terceira gastamos 50 minutos, ou seja, deu na mesma rsrsrs. Mas resolvemos ficar nesta última por ter chegado à conclusão de que todas tinham fila de espera.

Na pizzaria percebi uma grande concetração de coroas gostosas solteiras, então pensei: é! aqui deve ser bom. Acompanhei meu tio e pedi uma Marguerita, aguardente mexicana com sal e limão e que custou, pasmem! 16 REAIS! Comemos uma pizza mine enquanto esperávamos. Fomos chamados depois de uns 15 minutos. Enfim comemos 2 pizzas bem gostosas, enquanto falávamos mal do Quintão, prefeito da minha cidade, Ipatinga, que fica no Vale do Aço, a que me referi no início.

Terminada a pizza e a crítica ao Quintão mudamos o assunto para o “Campus Party”, minha principal missão em Sampa, além de visitar a família. O Campus Party é um evento de Tecnologia e Comunicação, apelidado de “WoodStock dos Nerds”, ou “NerdStock”. Ficarei acampado no evento que se passa no “Centro dos Imigrantes”, em São Paulo. Haverá palestras e oficinas. E shows, todo final de noite.

A área de acampamento e os eventos estarão divididos em 12 áreas: blogs, astronomia, música, vídeo, robótica, mooding, desenvolvimento, design, fotografia, software livre e simulação. Decidi dar mais atenção às palestras e oficinas destinadas aos blogueiros. Serão quase 6000 pessoas acampadas. Comprei o pacote que dá direito a café da manhã, almoço e jantar. Levarei meu próprio notebook. Mas, pra quem solicitou, no cadastro, o notebook será disponibilizado.

Internet, de 10 Gigas, estará disponível a todos os “Campuseiros do evento, como são chamadas as pessoas que do acampamento. Ao final, levaremos de brinde, a barraca, da Telefonica, principal patrocinadora do evento.  O preço inicial foi de 250,00,  depois passou para 300, uma mixaria por   tudo isso,  não?!

[tab:Fotos do Evento em 2008]

Campus Party
Campus Party Brasil 2008Campus Party Brasil 2008

Campus Party Brasil 2008Campus Party Brasil 2008

Campus Party Brasil 2008Campus Party Brasil 2008

[tab:Vídeos do Evento em 2008]

httpv://www.youtube.com/watch?v=zQggZ_p7Mq0&feature=related

httpv://www.youtube.com/watch?v=BNEi5U6Zo6M&NR=1

httpv://www.youtube.com/watch?v=vqoB4LbHK9Q&feature=related

[tab:END]

E hoje, domingo, me preparo ansiosamente para o que será o maior evento mundial na área de tecnologia e comunicação no Brasil em 2009. Venham visitar!

Publicado por

Diego Lopes

Graduado em admnistração pela UFV, atua na como coordenador de projetos web há mais de dez anos. Já trabalhou em 3 empresas no Vale do Silício e gerenciou mais de 1 milhão no Google Adwords e 100 mil dólares no Facebook.

3 thoughts on “A Viagem de um mineiro de Ipatinga para o Campus Party Brasil, em São Paulo”

  1. KKKKKKKK, sabe como é né. Não tive oportunidade. Estava com minha tia e as “coisas” lá são muito caras… hehehe
    mas fui tb no cinema 3D cara, eu fikei de cara bixo, as coisas saem da tela msm. Sem lógica. Foi no espaço unibanco… a gente ficava tentando pegar as coisas rsrsrs…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *