A Viagem de um mineiro de Ipatinga para o Campus Party Brasil, em São Paulo

À medida que as filas vão surgindo, as pessoas branqueando e os caixas cada vez mais parecidos com robôs ultra rápidos, São Paulo se aproxima. Quando  topo com um branquelo com uma veia verde na testa numa fila; vualá, cheguei a São Paulo!

A viagem de 12 horas se passa num ambiente cheirando a frango. As pessoas, em geral, das roças do Vale do Aço, vão visitar um filho(a) que está tentando a sorte na cidade grande.

clima da viagem se fez quando uma mulher perguntou à minha irmã como fechar a saída do ar condicionado, ao que ela respondeu que era só passar a mão, mas em vez de passar a mão para fechar as frestas, achou que havia uma espécie de sensor e só deu tchauzinho pro regulador! Depois, às 6 da manhã, a mesma, acorda a todos, gritando: “Carol, cê conseguiu durmi Carol? Cê tá durmino Carol? Cê tá acordada Carol?” Que vontade de pegar esta Carol e… o que me conrolou foi a velha ser igualzinha às minhocas do MIB…

Ao término da viagem peguei dois metrôs para chegar à estação Vila Madalena, onde minha tia, que mora no Alto de Pinheiros, me buscou de carro. Após ter beliscado algumas coisinhas no apartamento dela, fomos à Santa Efigência dar uma voltinha nas lojas de equipamentos tecnológicos que tem por lá. Eu queria descolar um gravador que grava direto em MP3 e uma câmera que já grava em FLV e que fosse integrada com a internet. O gravador eu achei logo, da Panasonic, que tinha tradutor automático para umas seis línguas, além de zoom sonoro. O cara da loja me disse que “era coisa profissional, para detetives e jornalistas”. Mas decidi voltar depois para procurar melhores preços e conhecer outros gravadores do tipo. Já a filmadora, além de não ter encontrado, a maioria das pessoas me olhavam como se eu fosse um ET, com uma cara tipo: “que merda é essa de FLV“.

Depois, minha tia me levou a um  restaurante de comida Árabe. Comi uma salada com molho Rosê, maravilhosa. Um Michui e descobri o que é Babaganuchi. Em seguida demos uma volta no bairro, que a tia disse ser o metro quadrado mais caro de São Paulo. E ainda por cima fiquei sabendo um pouco mais sobre a história da famosa rua Augusta. Por fim, tirei o atraso da noite mal dormida no busão e me preparei pra pizzaria à noite.

Passamos em três pizzarias. Na primeira, o tempo de espera era de 50 minutos, na segunda 25 e na terceira 20, mas até chegar a terceira gastamos 50 minutos, ou seja, deu na mesma rsrsrs. Mas resolvemos ficar nesta última por ter chegado à conclusão de que todas tinham fila de espera.

Na pizzaria percebi uma grande concetração de coroas gostosas solteiras, então pensei: é! aqui deve ser bom. Acompanhei meu tio e pedi uma Marguerita, aguardente mexicana com sal e limão e que custou, pasmem! 16 REAIS! Comemos uma pizza mine enquanto esperávamos. Fomos chamados depois de uns 15 minutos. Enfim comemos 2 pizzas bem gostosas, enquanto falávamos mal do Quintão, prefeito da minha cidade, Ipatinga, que fica no Vale do Aço, a que me referi no início.

Terminada a pizza e a crítica ao Quintão mudamos o assunto para o “Campus Party”, minha principal missão em Sampa, além de visitar a família. O Campus Party é um evento de Tecnologia e Comunicação, apelidado de “WoodStock dos Nerds”, ou “NerdStock”. Ficarei acampado no evento que se passa no “Centro dos Imigrantes”, em São Paulo. Haverá palestras e oficinas. E shows, todo final de noite.

A área de acampamento e os eventos estarão divididos em 12 áreas: blogs, astronomia, música, vídeo, robótica, mooding, desenvolvimento, design, fotografia, software livre e simulação. Decidi dar mais atenção às palestras e oficinas destinadas aos blogueiros. Serão quase 6000 pessoas acampadas. Comprei o pacote que dá direito a café da manhã, almoço e jantar. Levarei meu próprio notebook. Mas, pra quem solicitou, no cadastro, o notebook será disponibilizado.

Internet, de 10 Gigas, estará disponível a todos os “Campuseiros do evento, como são chamadas as pessoas que do acampamento. Ao final, levaremos de brinde, a barraca, da Telefonica, principal patrocinadora do evento.  O preço inicial foi de 250,00,  depois passou para 300, uma mixaria por   tudo isso,  não?!

[tab:Fotos do Evento em 2008]

Campus Party
Campus Party Brasil 2008Campus Party Brasil 2008

Campus Party Brasil 2008Campus Party Brasil 2008

Campus Party Brasil 2008Campus Party Brasil 2008

[tab:Vídeos do Evento em 2008]

httpv://www.youtube.com/watch?v=zQggZ_p7Mq0&feature=related

httpv://www.youtube.com/watch?v=BNEi5U6Zo6M&NR=1

httpv://www.youtube.com/watch?v=vqoB4LbHK9Q&feature=related

[tab:END]

E hoje, domingo, me preparo ansiosamente para o que será o maior evento mundial na área de tecnologia e comunicação no Brasil em 2009. Venham visitar!

Publicado por

admin

Graduado em admnistração pela UFV, atua na como coordenador de projetos web há mais de dez anos. Já trabalhou em 3 empresas no Vale do Silício e gerenciou mais de 1 milhão no Google Adwords e 100 mil dólares no Facebook.

3 comentários sobre “A Viagem de um mineiro de Ipatinga para o Campus Party Brasil, em São Paulo”

  1. KKKKKKKK, sabe como é né. Não tive oportunidade. Estava com minha tia e as “coisas” lá são muito caras… hehehe
    mas fui tb no cinema 3D cara, eu fikei de cara bixo, as coisas saem da tela msm. Sem lógica. Foi no espaço unibanco… a gente ficava tentando pegar as coisas rsrsrs…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *